Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Quinto Andar sobe de patamar: US$ 1,1 bi

Quinto Andar sobe de patamar: US$ 1,1 bi

A startup brasileira de locação de imóveis residenciais Quinto Andar agora é uma empresa bilionária. De acordo com o site Brazil Journal, a companhia fundada por Gabriel Braga (à dir.) e André Penha (à esq.)recebeu, na segunda-feira 26, um aporte de R$ 250 milhões e aumentou sua avaliação privada para US$ 1,1 bilhão. A captação foi liderada pela General Atlantic e teve também investimentos dos fundos Kaszek Venture e Qualcomm Ventures, além das empresas Ruane, Cunniff & Goldfarb e QED. O dinheiro vai ajudar na expansão e na consolidação do serviço no mercado nacional, deslocando recursos para as operações nas cidades de Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Porto Alegre e Curitiba. Fundada em 2012, a Quinto Andar já havia recebido outras quatro rodadas de captação que somaram US$ 20,8 milhões.

(Nota publicada na Edição 1098 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Check out de dados

Mais de 500 milhões de clientes da rede de hotéis Marriott foram afetados por uma falha de segurança que pode ter exposto informações [...]

Liderança coreana

O mercado global de smartphones cresceu apenas 1,4% no terceiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo [...]

5G pra que te quero

(Nota publicada na Edição 1099 da Revista Dinheiro)

US$ 100 milhões

É o valor que a fabricante americana de processadores Qualcomm vai investir em pesquisas relacionadas à inteligência artificial (Nota [...]

Um mea culpa sem combustível

Ainda que de forma tímida e portas fechadas, a Uber parece ter finalmente admitido culpa em um acidente ocorrido em março, na cidade de [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.