Economia

‘Queremos transformar a Amazônia em um paraíso de biodiversidade’, diz Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a argumentar que há uma má interpretação sobre as queimadas na Amazônia e disse que Brasil está interessado em desenvolver mercado de carbono e obter ajuda internacional para preservar a floresta. “Nossa bandeira é verde e amarela, então somos um país verde. Temos uma matriz energética limpa e estamos reavaliando projetos de investimentos”, completou.

“Queremos transformar a Amazônia em um paraíso de biodiversidade. Queremos transformar Manaus na capital mundial da bioeconomia e da economia sustentável. Vamos desenhar políticas econômicas que preservem a região amazônica”, respondeu, em participação em evento organizado pelo Milken Institute, que não constava na agenda do ministro e nem havia sido informado pela assessoria da pasta.

Paulo Guedes voltou a garantir que a equipe econômica está comprometida com o cumprimento da regra fiscal do teto de gastos. “Não vamos abandonar o teto”, enfatizou. O ministro também repetiu que o governo tem o desafio de transformar a atual política fiscal anticíclica em um crescimento sustentável por meio do fomento aos investimentos privados. Para Guedes, o Brasil tem potencial para ser o maior e melhor destino de investimentos na saída da atual crise.

“Queremos desregular o mercado e desestatizar diversos setores. Queremos mais investimentos estrangeiros”, afirmou.

Mudança de perfil

No evento, o ministro da Economia destacou a mudança de perfil da economia brasileira, que tem passado de investimentos públicos para investimentos privados. Ele voltou a citar a aprovação de novos marcos regulatórios para destravar o capital privado em setores como saneamento, energia, gás natural e petróleo.

“Por 40 anos, os investimentos no Brasil foram dirigidos pelo Estado, mas agora é o contrário. Em apenas um mês, o volume de IPOs no Brasil superaram o orçamento de investimentos do Ministério da Infraestrutura”, afirmo.

Guedes repetiu que o governo estuda a criação de um instrumento de seguro cambial para grupos internacionais que realizarem investimentos de longo prazo em infraestrutura no País. “O investidor se preocupa em fazer um investimento de dez anos e perder dinheiro em uma semana por causa de uma crise política. Podemos prover aos investidores um mecanismo de seguro cambial”, completou.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?