Edição nº 1125 14.06 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Juliana Azevedo, presidente da Procter & Gamble no Brasil

Queremos dobrar nossa participação no mercado brasileiro

Claudio Gatti

Queremos dobrar nossa participação no mercado brasileiro

A P&G muda da Venezuela para o Brasil o seu Centro de Inovação para a América Latina a fim de avançar nos lançamentos de produtos e dobrar sua participação de mercado

Felipe Mendes
Edição 14/12/2018 - nº 1100

Engenheira industrial e advogada, a executiva Juliana Azevedo, 43 anos, entrou como estagiária na multinacional de bens de consumo Procter & Gamble aos 20. Nunca mais saiu. Adquiriu experiência em marketing, vendas, planejamento estratégico e gerenciamento, antes de escalar cargos de liderança na companhia mundo afora. Em janeiro, tornou-se a primeira mulher a ser nomeada presidente da P&G no Brasil. Antes disso, foi vice-presidente global de Cuidados Femininos na matriz da empresa em Cincinnati (EUA). Em 6 de dezembro, quando recebeu a reportagem da DINHEIRO, Juliana celebrava 30 anos da P&G no País. “A cada dia, sinto que aprendo um pouco mais e que ainda estou no meio da minha jornada”, disse ela, que aproveitou a data para falar do programa Água Pura para Crianças. Num País em que o acesso à água tratada é regalia de poucos, a P&G desenvolve e distribui sachês purificadores em comunidades ribeirinhas do Amazonas, Vale do Jequitinhonha (MG) e no extremo sul da Bahia. Implementada com a ajuda de parceiros em 2014, a iniciativa já purificou mais de 68 milhões de litros de água, beneficiando 38 mil pessoas nessas localidades. No entanto, os projetos da P&G não param por aí…

DINHEIRO – A P&G está prestes a inaugurar seu Centro de Inovação, que teve um aporte de R$ 150 milhões, na cidade de Louveira (SP). Com essa unidade, a ideia é acelerar o lançamento de novos produtos?

JULIANA AZEVEDO – Trazer o Centro de Inovação para o Brasil é um presente ao País em comemoração aos 30 anos da P&G aqui. Ele vai servir a toda a América Latina e ao mundo. O Brasil, pelo tamanho, é o terceiro maior mercado potencial para a marca, mas também é um lançador de tendências. Nós estamos na vanguarda e agora podemos materializar isso num polo que será responsável não só por reaplicar a tecnologia de outros países aqui, mas também para liderar as inovações. Eu tenho 120 cientistas aqui.No mundo todo, a P&G tem 7.500. Eu quero acessar esses 7.500, mas ajustando o conhecimento deles ao que é necessário aqui. Com o Centro de Inovação podemos juntar o melhor dos dois mundos.

O programa Água Pura para Crianças foi implantado pela P&G em 2004 e já forneceu mais de 13 bilhões de litros de água potável para pessoas necessitadas no mundo (Crédito:Peterson )

DINHEIRO – Por que o Brasil foi o País escolhido para receber o centro, que antes ficava na Venezuela?

JULIANA – Depois de muitas análises decidimos que o Brasil tem a melhor combinação de fatores positivos. Nós temos talento para alimentar o Centro de Inovação, nós temos um parque de fornecedores para nos ajudar no processo e nós temos um consumidor muito exigente. Desenhar inovação para um cliente exigente ajuda que ela funcione em outras partes do mundo também. O Centro de Inovação está dentro de um campus onde temos uma área grande de manufatura e engenharia. Nós também estamos tentando desenvolver, através de realidade virtual, formas de transportar esse conhecimento para dentro da loja, para fazer realmente uma inovação de ponta a ponta, que é o que o consumidor quer. Isso nos deixa muito otimistas com o futuro.

DINHEIRO – Boa parte desse time de cientistas é formado por venezuelanos, certo? Por que o centro de inovação saiu de lá?
Teve a ver com o governo Maduro?

JULIANA – A Venezuela se tornou um país difícil. No momento, temos o Brasil ganhando mais espaço e a Venezuela perdendo. Vários venezuelanos vieram para cá. São pessoas que têm um histórico importante de conhecimento e informação.

DINHEIRO – Ser a primeira CEO mulher da companhia em 30 anos de Brasil é uma responsabilidade muito grande?

JULIANA – Não acho que o meu desafio seja maior pelo fato de eu ser mulher. Na verdade, sou privilegiada por trabalhar numa empresa em que a inclusão não é moda, é uma escolha. Exemplo disso é que 42% da nossa diretoria é formada por mulheres, índice muito acima do que temos no mercado. Eu me sinto extremamente apoiada e ser mulher nunca foi uma barreira para mim. Sou formada como engenheira, fui a primeira oradora mulher na Poli-USP. É um desafio grande, porque as nossas metas são grandes. Mas também seria se um homem estivesse à frente da operação.

DINHEIRO – Qual foi o impacto da greve dos caminhoneiros na operação da P&G no Brasil?

JULIANA – Foi um período muito difícil. Foram 11 dias parados. Se olharmos os impactos da greve no consumo, o mercado ainda não se recuperou. Até porque se criou uma ruptura que afetou muito mais do que a indústria. Na verdade, impactou a vida das pessoas que tiveram falta de produtos nos supermercados, alguns hospitais tiveram que fechar… Conseguimos fazer um trabalho bom, mas parte da confiança do consumidor ainda não voltou. No entanto, estamos bem satisfeitos com a nossa recuperação.

DINHEIRO – A greve fez com que a empresa buscasse novas soluções logísticas para chegar aos clientes?

JULIANA – Logística é uma das áreas em que nós mais inovamos por aqui. O custo do transporte no Brasil é muito alto e, muitas vezes, ineficiente. Esse evento não resultou em nada de diferente do que já estávamos fazendo. Nós usamos caminhões, trens e navios. Utilizamos toda a malha disponível e estamos sempre em busca de alternativas.

DINHEIRO – Qual é a importância da operação brasileira para a P&G no mundo?

JULIANA – Como potencial e tamanho de mercado, o Brasil está entre os três maiores. E, em receita, nós estamos entre os dez maiores da companhia. Portanto, ainda podemos crescer muito mais. Apesar de sermos uma operação jovem no País, temos metas grandes.

DINHEIRO – Quais são elas?

JULIANA – Nós temos uma participação de mercado de 16% aqui no Brasil. E não tem porque não passarmos dos 20% e chegarmos aos 30%. No México, que pode ser um exemplo, já estamos com cerca de 30%. Os nossos irmãos argentinos estão acima dos 40%. Temos um trabalho importante pela frente.

DINHEIRO – Pensam em fusão ou aquisição com alguma empresa brasileira?

JULIANA – A grande aquisição que nós fizemos foi a nível global, a parte de consumo da Merck, mas que é uma empresa de presença muito grande na América Latina.

Segundo dados da consultoria Euromonitor, o mercado de beleza e cuidados pessoais para os homens movimentou R$ 19,8 bilhões no Brasil em 2017 (Crédito:Filipe Araujo)

DINHEIRO – A Merck foi adquirida em abril por US$ 3,9 bilhões. Como será o trabalho que a P&G desenvolverá para alavancar os produtos dela aqui?

JULIANA – Esta aquisição só foi efetivada no Brasil no dia 3 de dezembro. Isso abre portas fantásticas para crescermos no mercado de saúde, seja na parte de prevenção, com vitaminas, ou na parte da cura, com os medicamentos. Uma das marcas mais conhecidas da Merck, que vende medicamentos por prescrição, talvez seja a vitamina Cebion. Acreditamos que esse é um segmento que tende a continuar crescendo. Além da Merck, temos uma forte atuação na área com as marcas Vick e Metamucil, que vão muito bem. Mas nós ainda não temos 100% das respostas, até porque o primeiro contato que nós fizemos com a Merck foi recente. O que eu posso falar é que os produtos da Merck e da P&G são muito complementares na área da saúde.

DINHEIRO – Em junho, a P&G entrou no mercado de lavanderias em sete pontos em São Paulo com a marca Ariel. Nos EUA, isso começou há oito anos, com marca Tide Dry Cleaners. O que esperar dessa movimentação da empresa?

JULIANA – Começamos esse projeto há alguns meses. Estamos em fase de experimento com algumas lojas em São Paulo. Aprendendo muito sobre como se relacionar com o consumidor e quais são os tipos de produtos que iremos entregar antes de realizarmos uma grande expansão. Entendemos que a performance continua sendo importante na categoria, no entanto, o consumidor mais jovem está mais preocupado em ter a roupa perfeita, do jeito mais prático possível, sem levar em consideração se essa remoção de mancha é melhor do que aquela. Essa é uma tendência das grandes metrópoles. Por isso, decidimos fazer um experimento e aprender com essas lavanderias. É um experimento pequeno para nós, diferentemente do que é nos Estados Unidos, onde a Tide tem uma liderança maciça. Os resultados até agora são extremamente positivos. Nós também estamos criando no Centro de Inovação para serem usados nesse tipo de serviço em grande escala. Mas o que queremos, a curto prazo, é aprender como servir melhor esse consumidor que quer ter uma roupa perfeita, limpa e seca o mais rápido possível.

DINHEIRO – O que a P&G está trazendo de inovação na linha de higiene bucal?

JULIANA – Temos inovação para a parte do tratamento de gengiva e trabalhamos também para a complementação do nosso portfólio infantil. O Brasil ainda tem uma penetração baixa de escovação em crianças. Se você quiser ser uma marca que ajuda as pessoas a terem higiene bucal, é preciso começar desde novinho, né?

DINHEIRO – Uma das apostas para o futuro da P&G é investir em incontinência urinária feminina. Por que e como a empresa vai entrar nesse mercado no País?

JULIANA – Isso é uma das tendências globais à medida que as populações vão envelhecendo. Então é uma categoria importante para participar. Nós entramos nesse segmento nos Estados Unidos e em alguns países na Europa nos últimos três anos. E o Brasil já é o terceiro maior mercado na categoria. Estamos fazendo alguns experimentos, algumas parcerias, para confirmar o aprendizado que temos fora. Com certeza, essa é uma categoria que cresce bastante hoje. A médio prazo, ela só tende a crescer mais.

DINHEIRO – Mais homens estão usando barba. Isso chegou a afetar as vendas de produtos da marca Gillette?

JULIANA –Temos visto uma evolução de comportamento e de relacionamento nos homens. Não há dúvidas de que ele está mais envolvido com a beleza hoje em dia. É uma mudança impactante porque você tem muitas celebridades e influenciadores que estão se comportando dessa forma. Mas temos planos para completar as nossas linhas de produtos da Gillette no futuro, até porque ela é a marca mais preciosa que nós temos para o ritual da beleza dos homens. Na parte de remoção dos pelos, temos muitas inovações. Uma coisa é você ter uma barba grande, volumosa e descuidada. Não é isso que nós vemos. Nós vemos uma barba que às vezes é quase que um trabalho artístico e temos produtos que ajudam o nosso consumidor a aperfeiçoar esse visual.

DINHEIRO – O que esperar de 2019? A retomada dos indicadores econômicos podem ajudar a companhia?

JULIANA – Tenho olhado para 2019 de uma forma bem positiva. Estamos crescendo em 2018 e temos um plano de inovações que começou agora e seguirá muito mais forte no próximo ano. Estamos nos preparando para crescer independente do contexto econômico. Com mais estabilidade e redução de desemprego, o consumo será retomado.

 

recursos públicos

Após saída de Levy, BNDES pode ter ênfase na privatização


Boeing em crise, Airbus tensa. Paris AirShow começa sob questionamentos

mercado aéreo

Boeing em crise, Airbus tensa. Paris AirShow começa sob questionamentos

Confira vagas em concursos públicos com salário de até R$ 28,8 mil

lista de oportunidades

Confira vagas em concursos públicos com salário de até R$ 28,8 mil

Esposa de Carlos Ghosn pede que Trump interceda em acusações de fraudes

ex-presidente da Nissan

Esposa de Carlos Ghosn pede que Trump interceda em acusações de fraudes

Em entrevista à BBC, Carole Ghson afirmou que o brasileiro é inocente e reiterou a teoria de que as acusações são frutos de uma conspiração contra o marido

Embraer assina contrato com United Airlines para venda de até 39 jatos E175

durante paris airshow

Embraer assina contrato com United Airlines para venda de até 39 jatos E175

Bitcoin ultrapassa US$ 9 mil e alcança a maior cotação em mais de um ano

criptomoedas

Bitcoin ultrapassa US$ 9 mil e alcança a maior cotação em mais de um ano

A criptomoeda não tem valor tão alto desde maio de 2018 e já acumulou alta de 140% desde o início deste ano


Finanças


Dólar cai com otimismo sobre reforma da Previdência e viés de baixa no exterior

dólar

Dólar cai com otimismo sobre reforma da Previdência e viés de baixa no exterior

Vencimento de opções e política monetária ditam ritmo da Bolsa

mercado financeiro

Vencimento de opções e política monetária ditam ritmo da Bolsa


Blogs e Colunas

As sete disciplinas do líder eficaz

por césar souza

por césar souza

As sete disciplinas do líder eficaz

O que nem todos sabem é que liderar pessoas e equipes consiste em apenas 1/7 da missão do líder eficaz e inspirador


Negócios e Tecnologia


Saiba por que os EUA estão contra Amazon, Apple, Facebook e Google

tecnlogia

Saiba por que os EUA estão contra Amazon, Apple, Facebook e Google

Em movimento raro na história americana, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário se unem na maior ofensiva contra gigantes da área tecnológica

Vendas da Huawei desabam fora da China por pressão dos Estados Unidos

queda de 40%

Vendas da Huawei desabam fora da China por pressão dos Estados Unidos


Internacional


G20 alcança primeiro acordo para reduzir lixo plástico no mar

sustentabilidade

G20 alcança primeiro acordo para reduzir lixo plástico no mar

Ativista deixa a prisão e se une aos protestos contra o governo de Hong Kong

Joshua Wong

Joshua Wong

Ativista deixa a prisão e se une aos protestos contra o governo de Hong Kong

Mulher do premier israelense é considerada culpada por uso indevido de dinheiro público

Sara Netanyahu

Sara Netanyahu

Mulher do premier israelense é considerada culpada por uso indevido de dinheiro público

Ataques no mar de Omã: petroleiro em segurança, Riad em alerta e Irã sob suspeita

troca de acusações

troca de acusações

Ataques no mar de Omã: petroleiro em segurança, Riad em alerta e Irã sob suspeita


Entrevista

Alexandre de Juniac, CEO da IATA

Alexandre de Juniac, CEO da IATA

"Combustível responde por cerca de 23% do custo total das aéreas. No Brasil chega a 30%, devido aos pesados impostos"

O principal executivo da Associação de Transporte Aéreo Internacional falou à DINHEIRO sobre como o País deve conduzir as privatizações de aeroportos


Negócios

Fusão entre Aliansce e Sonae cria uma gigante no mercado brasileiro de shopping centers

Shopping

Fusão entre Aliansce e Sonae cria uma gigante no mercado brasileiro de shopping centers

A fusão entre Aliansce e Sonae cria uma gigante no mercado brasileiro de shopping centers e deve reaquecer a disputa por ativos e a consolidação do setor

“Empresas sem consciência da responsabilidade humanística ficarão para trás”

Dante Gallian

“Empresas sem consciência da responsabilidade humanística ficarão para trás”

10 perguntas para Dante Gallian

Das pranchetas de arquitetura a prêmios internacionais e faturamento bilionário

Athié Wohnrath

Das pranchetas de arquitetura a prêmios internacionais e faturamento bilionário

Há 25 anos, eles criaram uma firma de arquitetura para escritórios. Hoje, celebram o faturamento bilionário, com prêmios internacionais, 800 funcionários e uso de Inteligência Artificial na tomada de decisões


Mercado Digital


Saiba por que os EUA estão contra Amazon, Apple, Facebook e Google

blitzkrieg

Saiba por que os EUA estão contra Amazon, Apple, Facebook e Google

Em movimento raro na história americana, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário se unem Na maior ofensiva contra gigantes da área tecnológica

Deepfake, técnica de manipular vídeos e áudios, já engana 3 em 5 pessoas

tendência perigosa

Deepfake, técnica de manipular vídeos e áudios, já engana 3 em 5 pessoas


Editorial

A moeda do “sur-real”

por carlos josé marques

por carlos josé marques

A moeda do “sur-real”

Com o objetivo de dar um aceno ao parceiro argentino Mauricio Macri e estimular a sua campanha eleitoral, o mandatário brasileiro tirou dos escaninhos embolorados que remontam a origem do Mercosul a malfadada ideia de uma moeda única a servir para todos as nações do bloco


Economia


O homem das concessões de São Paulo

Vice-governador

O homem das concessões de São Paulo

O vice-governador Rodrigo Garcia lidera um ambicioso programa de redução da máquina pública que inclui resgatar os trens de passageiros e licitações para que a iniciativa privada administre de presídios às marginais dos rios Tietê e Pinheiros. A meta é levantar R$ 40 bilhões

O lado sujo da Lava Jato

conversas vazadas

O lado sujo da Lava Jato

Vazamento de conversas entre peças-chave da maior operação anticorrupção do País coloca em xeque a lisura das investigações. Sem o esclarecimento dos diálogos, está aberto o caminho para empresas pedirem a revisão de suas penas


Finanças

Os novos pilares do crédito imobiliário da Caixa

Banco estatal

Banco estatal

Os novos pilares do crédito imobiliário da Caixa

Líder do segmento, Caixa Econômica Federal busca aproximação com o mercado de capitais para obter mais recursos


Estilo

A grife brasileira das Arábias

vincenzo visciglia

vincenzo visciglia

A grife brasileira das Arábias

O arquiteto e designer paulista Vincenzo Visciglia está transformando o cenário fashion no Oriente Médio com a AAVVA, marca de roupas ousadas e luxuosas cujas peças chegam a 100 mil euros


Colunas


Supermercado sem sair do sofá

moeda forte

Supermercado sem sair do sofá

5G na América Latina tende para Huawei

dinheiro em bits

5G na América Latina tende para Huawei

MapBiomas: 4,5 mil focos de desmatamento em 6 meses

sustentabilidade

MapBiomas: 4,5 mil focos de desmatamento em 6 meses

Um cruzeiro privativo pelas Maldivas por € 900 mil

cobiça

Um cruzeiro privativo pelas Maldivas por € 900 mil

Petrobras vai investir US$ 105 bilhões até 2024

dinheiro em ação

Petrobras vai investir US$ 105 bilhões até 2024


Artigo

A importância de reconquistar o acesso aos meios de produção e de consumo da cultura

por gisele jordão

por gisele jordão

A importância de reconquistar o acesso aos meios de produção e de consumo da cultura

“A privatização dos interesses culturais é resultado da dependência que os atores dessa cadeia produtiva têm do capital financeiro”


Premiação

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

ranking setorial

ranking setorial

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

A 16ª edição reconhecerá as empresas que se destacaram nas suas áreas de atuação

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Impacto positivo abrange profissionais, empresas e organizações governamentais.

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Atlas Quantum apresenta:

Atlas Quantum apresenta:

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Muito recente, mercado de criptomoedas ainda não tem estratégias claras de precificação; diante disso, especialista recomenda método de arbitragem automatizada

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.