Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Quem vai comprar a Nextel?

Quem vai comprar a Nextel?

Duas empresas podem estar brigando para adquirir o controle da empresa de telefonia celular Nextel Brasil. De acordo com a agência de notícias Reuters, a NII Holding, que detém 70% da operadora, já está em negociação para liquidar a sua participação no negócio. Entre as interessadas estão a Telefônica Brasil, que controla a rival Vivo, e o grupo industrial privado Access Industries, dona de uma fatia de 30% da operação brasileira da Nextel. Com 3 milhões de assinantes no País, a operadora não estava rendendo bons resultados para sua controladora. No primeiro trimestre deste ano, a NII Holdings teve receita de US$ 181 milhões, 27,8% menor do que a registrada no mesmo período de 2017 e prejuízo líquido de US$ 43,3 milhões.

(Nota publicada na Edição 1077 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Sabotagem na Amazon

A Amazon está investigando um possível caso de sabotagem de seus serviços. De acordo com o jornal americano The Wall Street Journal, a [...]

Liderança roxa

A Nubank é a startup brasileira melhor colocada em um levantamento feito pela rede social LinkedIn. O estudo, divulgado na terça-feira [...]

Resposta instantânea

Mariano Gomide, co-CEO da VTEX, desenvolvedora de soluções de computação em nuvem para e-commerces

Sinal ruim

As vendas de celulares no Brasil caíram no primeiro semestre do ano. De acordo com a consultoria IDC, foram vendidos 24,1 milhões de [...]

Turista espacial

O empresário japonês Yusaku Maezawa é o primeiro cliente da SpaceX, empresa de exploração espacial do bilionário Elon Musk. Com fortuna [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.