Quem quer comprar um paraíso?

Quem quer comprar um paraíso?

Com o propósito de diminuir o tamanho do Estado, o governo irá repassar para iniciativa privada, por meio do modelo de concessão, pelo menos 20 unidades de conservação até o fim deste ano. Segundo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, as áreas de Jericoacoara (CE), Lençóis Maranhenses (MA), Chapada dos Guimarães (MT) e Aparados da Serra (RS) são prioridade num primeiro instante. Juntas, essas unidades recebem cerca de 450 mil visitantes por ano. Todos os 20 parques que vão entrar no pacote de concessões são administrados pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio). A ideia é de que eles sejam repassados para empresas privadas interessadas em explorar as regiões, com ofertas de serviços e turismo. Salles promete também uma revisão de todas as 334 áreas de proteção ambiental no País. Segundo ele, de 2006 para cá, quase 190 unidades de conservação teriam sido criadas “sem nenhum tipo de critério” pelos governos petistas.

(Nota publicada na Edição 1121 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Transição Verde

A Comissão Europeia anunciou que investirá mais de R$ 60 bilhões nos próximos anos para reduzir as emissões de carbono e incentivar a [...]

Brasil pode ter mais emissões na pandemia

Com a pandemia gerada pela Covid-19 e consequentemente a recessão global, as emissões de gases de efeito estufa deverão recuar [...]

Tintos, brancos e rosés mais verdes

Vinhos da região do Alentejo, em Portugal, estão se destacando dos demais por um “selo” de produção sustentável. O Programa [...]

Parques para todas e todos

Uma parceria entre o Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (Unops) e o Instituto Semeia e foi apoiado pela ONU [...]

Cápsulas de café em alumínio reciclado

A Nespresso, marca pioneira no mercado de cafés porcionados, anuncia que suas cápsulas serão produzidas com 80% de alumínio reciclado e [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.