Quem manda é o coração

Quem manda é o coração

No mundo dos negócios, a razão tem menos importância do que a emoção. É o que afirma Pedro Superti, tido como um papa do marketing de diferenciação no Brasil. “É preciso ser único, ser diferente e buscar elementos emocionais para se destacar em meio à concorrência”, afirma. É com esse tom que Superti pretende motivar mais de 8 mil empresários no evento Fator X Live, entre 17 e 19 deste mês, em São Paulo. “Hoje não dá mais para fazer algo que você não tenha paixão. Se você quer abrir um restaurante japonês, apele para alguma história de sua vida ligada à cultura daquele país e que possa chamar a atenção das pessoas. Tocar o coração é o caminho para crescer.”

(Nota publicada na edição 1154 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Carbono neutro na Rhodia

A Rhodia (Grupo Solvay) fechou 2019 com um índice de 96% de redução de suas emissões de carbono no conjunto industrial químico de [...]

Evento brasileiro tipo exportação

O ERP Summit, considerado o maior evento brasileiro sobre software e gestão, terá uma edição no México, em 2020. O novo destino é parte [...]

A força da Toyota no País

A boa reputação da montadora japonesa Toyota no mercado brasileiro tem ajudado a companhia a impulsionar também sua divisão de luxo, a [...]

Bravo foca em inteligência artificial

Após a criação da Bravo Discovery – focada em Data Analytics – a Bravo GRC dá mais um passo em sua estratégia de negócios orientada para a transformação digital. A partir de março, a sua Inteligência Artificial será lançada no mercado: a Aila. Será a primeira IA orientada exclusivamente para governança, risco e compliance (GRC). […]

Menu australiano no prato dos cearenses

A rede de restaurantes de frutos do mar Coco Bambu, do empresário cearense Afrânio Barreira, está negociando com dois fundos de [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.