Quem manda é o coração

Quem manda é o coração

No mundo dos negócios, a razão tem menos importância do que a emoção. É o que afirma Pedro Superti, tido como um papa do marketing de diferenciação no Brasil. “É preciso ser único, ser diferente e buscar elementos emocionais para se destacar em meio à concorrência”, afirma. É com esse tom que Superti pretende motivar mais de 8 mil empresários no evento Fator X Live, entre 17 e 19 deste mês, em São Paulo. “Hoje não dá mais para fazer algo que você não tenha paixão. Se você quer abrir um restaurante japonês, apele para alguma história de sua vida ligada à cultura daquele país e que possa chamar a atenção das pessoas. Tocar o coração é o caminho para crescer.”

(Nota publicada na edição 1154 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A educação não pode parar

A brasileira Hotmart, uma das líderes globais no mercado de produtos digitais, acaba de anunciar a aquisição da Teachable, uma das [...]

Contratação mais rápida

A Grendene, uma maiores fabricantes de calçados do Brasil, reduziu em 30% o tempo do processo de contratação utilizando o recurso de [...]

Resistência contra a crise

Empresas de todos os portes, cada uma a seu modo, definem estratégias para se proteger dos impactos do coronavírus nos negócios pelos [...]

Dinheiro sem quarentena

A TransferWise, especialista em transferência de dinheiro para o exterior, acaba de fechar uma parceria com a Alipay na China para [...]

Aluguel parcelado

Em meio à crise, a fintech CredPago – especializada em fiança locatícia e que tem o BTG Pactual como um de seus sócios – vai parcelar aluguel em até seis vezes para inquilinos que enfrentam dificuldades financeiras. Com investimento de R$ 10 milhões, a iniciativa inédita no setor pretende beneficiar cerca de 6 mil famílias […]

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.