Giro

Quase 37 milhões de crianças estavam deslocadas no mundo em 2021, diz Unicef

Quase 37 milhões de crianças estavam deslocadas no mundo em 2021, diz Unicef

Crianças refugiadas da República Democrática do Congo brincam no Centro de Trânsito Nyakabande em Kisoro, Uganda, em 7 de junho de 2022 - AFP



Quase 37 milhões de crianças se viram deslocadas até o final do ano passado em todo o mundo, o número mais alto registrado desde a Segunda Guerra Mundial, diz um relatório do Unicef, que pede que sejam fortalecidos a proteção e o acesso a serviços básicos para menores refugiados, migrantes e deslocados.

Esses dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) não incluem os mais de dois milhões de menores que fugiram da Ucrânia desde o final de fevereiro como resultado da invasão russa, nem os três milhões de deslocados internos.

+ Mais de 100 milhões de pessoas no mundo foram forçadas a fugir de suas casas, diz ONU

Também não incluem menores deslocados por desequilíbrios climáticos e desastres naturais, alertou a agência da ONU.




Em 2021, cerca de 13,7 milhões eram refugiados e requerentes de asilo e cerca de 22,8 milhões eram deslocados internos por conflitos, violência e outras crises. No total, são 2,2 milhões a mais que no ano anterior.

“Não podemos ignorar as evidências: o número de crianças que foram deslocadas por conflitos e crises está crescendo rapidamente e é nossa responsabilidade alcançá-los”, disse a diretora executiva do Unicef, Catherine Russell.

Russell instou os governos a prevenir tais situações e “garantir”, quando ocorrerem, “seu acesso à educação, proteção e outros serviços críticos que apoiem seu bem-estar e desenvolvimento agora e no futuro”.


A população de refugiados no mundo mais que dobrou na última década e quase metade deles são menores de idade.

Mais de um terço dos menores deslocados vivem na África Subsaariana (3,9 milhões), um quarto na Europa e Ásia Central (2,6 milhões) e 13% (1,4 milhão) no Oriente Médio e Norte da África.

Quase metade das crianças e menos de um quarto dos adolescentes refugiados frequentam a escola.