Quanto é preciso crescer?

Quanto é preciso crescer?

A crise econômica, para além das estatísticas, tem feições muito duras e visíveis nos rostos dos trabalhadores desempregados, dos empreendedores em dificuldades, dos investidores receosos. Nos últimos dias o governo quis comemorar alguns feitos, como o aumento da geração de vagas e até mesmo a perspectiva de um (tímido) crescimento do PIB. O maior motivo dos festejos foi o surgimento de 121 mil postos de trabalho em agosto, no melhor resultado para esse mês em seis anos. Tomada em sua real dimensão, a notícia caiu como um pingo d’água no oceano de 12,8 milhões de desempregados ou mesmo no universo de mais de 60 milhões de brasileiros (incluindo familiares) que estão no momento sem nenhuma renda para sobreviver.

A conquista dos 121 mil postos também é pouco maior que as 110 mil verificadas no mesmo mês do ano anterior. Assim, quase que por inércia, o número não faz frente sequer ao crescimento populacional no período, numa aguda piora proporcional do quadro. Da mesma maneira, sem tirar nem por, o Governo saudou o primeiro mês de retomada dos índices da indústria após um trimestre de seguidas quedas da produção. Embora represente a virada de rota, a indústria brasileira vai amargando aquele que é talvez o mais sombrio período de sua história de atividade.

Em cinco anos a produção industrial brasileira caiu perto de 15% enquanto a do restante do mundo avançou 10%. Isso gera, por consequência, perda de competitividade, de eficiência, de tempo e, por que não dizer, de muito dinheiro. O parque fabril encolhe porque a economia patina. A demanda é baixa, a oferta tem de ser reduzida e o ciclo perverso de recessão toma conta. O País está saindo aos poucos dele, mas nessa jornada as exportações desabaram, greves como as dos caminhoneiros no ano passado aguçaram os efeitos da paralisia e as autoridades seguem inertes, sem plano ou movimentação para mudar o ciclo do processo.

O ministro Paulo Guedes, em recente entrevista, saudou o fato de o Brasil poder crescer mais de 2% em 2020, pelas contas dele. O próprio Banco Central fala em 1,8%. As variações de índice no caso alteram pouco o cenário. Para liquidar o déficit de emprego e alcançar níveis de plena atividade será necessária, nesse ritmo, uma década inteira. Na verdade, ao se alcançar esse patamar, o País terá retornado ao quadro de 2006, quando se experimentava por aqui taxas de crescimento de 4% ao ano. A pergunta que fica no ar é qual o nível de retomada do PIB para se queimar etapas e recuperar o tempo perdido? A equipe econômica diz que ainda demora para um crescimento na faixa de 3,5% a 4%. Não apresentou um programa sustentável nesse sentido e vai festejando pequenas conquistas como se fossem a panaceia. Os eleitores esperavam mais.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.