Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

Qual vale mais: Apple ou Microsoft?

Qual vale mais: Apple ou Microsoft?

A Microsoft reinou absoluta durante a década de 1990. No entanto, a chegada dos smartphones fez com que a rival Apple não apenas superasse o valor de mercado da gigante de Redmond, como também ultrapassasse a avaliação pública de US$ 1 trilhão. Engana-se, porém, quem pensa que a empresa fundada por Bill Gates desistiu do topo. Na segunda-feira 26, a desenvolvedora do Windows voltou a ser a companhia com a maior avaliação pública do planeta, ainda que por um breve momento. De acordo com a Bloomberg, a Microsoft foi avaliada em US$ 812,9 bilhões, contra US$ 812,6 bilhões da fabricante do iPhone. No fim do dia, a empresa da maçã voltou à liderança.

(Nota publicada na Edição 1098 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bill Gates sugere cinco livros (disruptivos)

“Cada livro a seguir, com exceção de um”, diz Bill Gates, “lida com a ideia de ruptura. Mas não quero dizer ‘ruptura’ na maneira como [...]

Edição de vídeo simplificada

Junte programas de edição de vídeo de sucesso, como Premiere Pro e Audition, destinados a profissionais, e os simplifique. Esse é o [...]

Tesla, Tesla…

Relatório do Conselho Nacional de Segurança de Trânsito dos EUA confirma que o motorista de um veículo Tesla Model 3 – Jeremy Banner – [...]

Faces que o Facebook controla

Estudo da ONG Consumer Reports indica que usuários do Facebook podem não ter a capacidade de impedir que a plataforma use a tecnologia [...]

O gato aborrecido e 2,7 milhões de seguidores tristes

Sua expressão inegavelmente chateada se tornou símbolo universal de descontentamento. Grumpy Cat, o gato mais famoso da internet, [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.