Economia

Publicado sem alarde, relatório prevê déficit de R$ 861 bi no Orçamento

Crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Ministério da Economia: anúncio, tradicionalmente é feito com entrevista coletiva dos principais secretários que cuidam da área fiscal do governo, mas desta vez se restringiu a um documento oficial e uma nota à imprensa divulgados pela pasta às 19h25 (Crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O Ministério da Economia divulgou nesta terça, 22, a avaliação bimestral do Orçamento com uma projeção de déficit de R$ 861 bilhões em 2020. O anúncio, tradicionalmente feito com entrevista coletiva dos principais secretários que cuidam da área fiscal do governo, desta vez se restringiu a um documento oficial e uma nota à imprensa divulgados pela pasta às 19h25, quando a mensagem de envio do relatório já havia sido publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Fase 75ª da Lava Jato mira em propinas em contratos de navios da Petrobras

Bolsonaro autorizou criação de programa social dentro do Orçamento, diz relator

O envio silencioso do relatório ocorre na semana seguinte à polêmica envolvendo o Renda Brasil, como vinha sendo chamado o novo programa social do governo Jair Bolsonaro. Em entrevista ao G1, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, defendeu o congelamento de aposentadorias e mudanças no seguro-desemprego para liberar recursos para o Renda Brasil. A declaração enfureceu o presidente, que ameaçou dar “cartão vermelho” a quem propusesse algo do tipo.

Após o alerta de Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reuniu sua equipe às pressas e decretou uma espécie de “lei do silêncio” entre os integrantes da equipe econômica, para evitar novos vazamentos e, consequentemente, desgastes com o Palácio do Planalto.

O relatório bimestral é uma divulgação periódica do Ministério da Economia, que costuma ter a presença de Waldery e secretários da área de Orçamento. O último, com a participação do secretário especial de Fazenda, foi anunciado em 22 de julho.

No documento divulgado hoje, a Economia informou que sua expectativa para receitas em 2020 piorou R$ 9,725 bilhões, passando a R$ 1,446 trilhão. A queda se deve a alterações na legislação tributária em função do combate à covid-19, ao resultado da arrecadação entre junho e agosto de 2020 e à revisão das estimativas de impacto do adiamento no recolhimento de tributos. Houve ainda mudança na projeção da arrecadação de contribuições previdenciárias e de royalties de petróleo. Por outro lado, houve uma compensação parcial das perdas com a renovação antecipada de contratos de concessões da Ferrovia Norte Sul e da Ferrovia Malha Paulista.

No caso das despesas, a previsão aumentou R$ 63,6 bilhões em relação ao projetado no terceiro bimestre, passando a R$ 2,046 trilhões. O maior aumento foi de R$ 84,4 bilhões em novos créditos extraordinários para autorizar despesas relacionadas ao combate à pandemia – entre eles os R$ 67,6 bilhões que bancarão a prorrogação do auxílio emergencial até o fim do ano, no valor de R$ 300 por pessoa.

O valor de subsídios, por sua vez, caiu R$ 17,3 bilhões, principalmente com a redução de recursos destinados a subsidiar a linha de crédito para a folha de salários de trabalhadores, que registrou baixa demanda das companhias em meio à migração do apetite para outras linhas mais simplificadas e voltadas para micro e pequenas empresas.

A Economia informou ainda que espera uma despesa R$ 4,5 bilhões menor com benefícios previdenciários do INSS, o que proporcionou uma redução no déficit previsto para R$ 274,268 bilhões em 2020. A previsão de gastos com abono e seguro-desemprego ficou praticamente estável em R$ 62,98 bilhões.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?