À prova de fogo

À prova de fogo

Duas semanas após o incêndio de grandes proporções que atingiu a região central de Portugal, matando 64 pessoas e deixando mais de 200 feridos, o país procura alternativas para evitar outras tragédias do tipo. A melhor solução chama atenção por sua simplicidade: recuperar a mata nativa da região. Não se trata apenas de plantar árvores. Mas de plantar as árvores certas. Em meio ao caos e à destruição deixados pelas chamas, os portugueses se depararam com sítios e casas que não foram atingidos, mesmo estando no caminho do fogo.

Oásis: em meio à destruição, áreas com árvores folhosas ficaram intactas em Portugal (Crédito:Divulgação)

Acontece que essas propriedades eram cercadas não apenas de eucaliptos e pinheiros, como a grande maioria. Elas possuíam castanheiras, carvalhos e outras árvores autóctones, nativas da região. Foi o caso da Quinta das Mil Flores, estância turística de propriedade da ex-modelo franco-americana Annabelle de La Panouse. Com mais de mil espécies diferentes de plantas em seus jardins, o pequeno empreendimento escapou ileso do fogo. “A Quinta permanece como um oásis verde no meio da desolação das florestas carbonizadas à nossa volta”, afirmou La Panouse, à agência de notícias Lusa.

Segundo especialistas, árvores mais densas e folhosas fornecem uma proteção natural contra o fogo, por diminuírem a temperatura e armazenarem mais umidade no solo. Em Pedrógão Grande, um dos municípios mais atingidos, um ex-técnico do Ministério da Agricultura português, Aires Henriques, cuja propriedade também foi salva graças à presença de árvores folhosas, defende a criação de áreas com vegetação autóctone ao redor das cidades, para preservá-las em caso de novas queimadas. A tragédia portuguesa é mais um exemplo dos riscos de se modificar demais a natureza.

(Nota publicada na Edição 1025 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A saída está no canteiro de obras

Retomada do emprego no Brasil ainda depende diretamente da reativação de obras públicas paralisadas. O problema é que com a União, os [...]

Responsabilidade ambiental nas salas de aula

Inovação e sustentabilidade podem coexistir nas escolas? Para a personagem virtual Valentina Faz, isso parece ser uma possibilidade. [...]

Bolsonaro para menores

A ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, conseguiu tirar o presidente Jair Bolsonaro do sério. Em 8 de dezembro, a fundadora do [...]

Os desafios para um futuro sustentável, segundo a Electrolux

O grupo Electrolux se uniu à empresa United Minds para investigar os comportamentos e as preocupações em assuntos relacionados à [...]

Desmatamento ilegal para produção de soja entra na mira de 87 empresas europeias

O cerco contra a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro está se fechando. Em 2 de dezembro, um grupo de 87 companhias [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.