Giro

Protestos antecedem cúpula do G7 na Alemanha

Protestos antecedem cúpula do G7 na Alemanha


Atos contra as políticas das maiores economias do Ocidente ficaram aquém do esperado, reunindo cerca de 4 mil pessoas em Munique. Cúpula do G7 começa neste domingo, na Baviera, tendo Ucrânia como um dos temas principais.Milhares de pessoas protestaram neste sábado (25/06) em Munique antes do início da cúpula do G7na Alemanha, atual presidente do grupo. A manifestação contra as políticas dos líderes dos principais países ocidentais, porém, foi muito menor do que o esperado.

A cúpula do G7 começa oficialmente neste domingo e segue até terça-feira no Schloss Elmau, um hotel cinco estrelas na Alta Baviera. Além da Alemanha, como anfitriã, o encontro terá a participação de EUA, Canadá, Reino Unido, França, Itália e Japão.

De acordo com a polícia, cerca de 4 mil pessoas participaram dos atos. Segundo os organizadores, foram 6 mil pessoas – ainda assim bem abaixo do previsto.

A polícia disse que a manifestação foi pacífica e não exigiu nenhuma intervenção, com exceção de dois pequenos incidentes à margem dos atos. No final do protesto, houve uma prisão e, como resultado, um breve confronto entre alguns manifestantes e agentes. Dois policiais ficaram levemente feridos. No entanto, a situação se acalmou rapidamente.




A convocação do protesto por 15 organizações causou certa preocupação, já que nos últimos anos houve repetidos tumultos e confrontos entre manifestantes e a polícia às vésperas das reuniões do G7.

Uma das organizadoras do protesto, Uwe Hiksch, disse que o ato ficou muito aquém das expectativas.

“Temos a impressão de que muitas pessoas estão inseguras com a guerra na Ucrânia”, explicou Hiksch. Segundo ela, com o conflito, muitas pessoas que habitualmente apoiam esse tipo de iniciativa disseram que “agora não é hora de se opor aos chefes de governo”.


Muitos dos participantes vindo de outras regiões da Alemanha, se disseram desapontados com a baixa adesão ao protesto.

Combate à pobreza

Os manifestantes pediram aos chefes de Estado e de governo dos países do G7 políticas eficazes de combate à pobreza e, como consequência da invasão da Ucrânia pela Rússia, que acabem com a dependência de petróleo, gás e carvão russos e tomem mais medidas contra a crise global de fome.

Em uma declaração conjunta, as organizações que participaram do protesto disseram que os Estados do G7 devem “tomar medidas decisivas contra as mudanças climáticas, acabar com a destruição da natureza e combater a fome, a pobreza e a desigualdade”. Para eles, significativamente mais fundos devem ser disponibilizados para prevenção de crises, gestão de conflitos civis e cooperação para o desenvolvimento.

Forte esquema de segurança

O hotel Schloss Elmau já provou ser um local ideal para a cúpula durante a presidência anterior do G7 da Alemanha, em 2015 – quando Barack Obama era o presidente dos EUA e Angela Merkel a chanceler federal da Alemanha.

Junto com o cenário onírico para fotos do espetáculo político, sua localização em um vale acima de Garmisch-Partenkirchen é de difícil acesso e fácil proteção.

Pelo menos 18 mil policiais foram mobilizados e uma cerca de segurança de 16 quilômetros de comprimento foi instalada para garantir que nenhum manifestante perturbe a reunião. Os convidados serão levados ao local de helicóptero. O governo alemão e o estado da Baviera orçaram em 180 milhões de euros a segurança. Centenas de tampas de bueiros foram seladas com adesivos especiais, latas de lixo foram retiradas das ruas e as escolas foram fechadas.

Cerca de 3 mil jornalistas viajaram para a Baviera para acompanhar os desdobramentos do evento.

Uma chance para Scholz

Como anfitrião, o chanceler federal da Alemanha, Olaf Scholz, terá a chance de polir sua imagem arranhada, após críticas internacionais pela hesitação em enviar armas à Ucrânia. Scholz já formulou sua agenda para a reunião: quer debater com os parceiros do G7 soluções para a crise energética e a inflação crescente.

Se Scholz, que assumiu o cargo em dezembro, conseguir colocar os chefes de Estado e de governo do G7 em um curso claro e unificado, pode reforçar sua imagem de um líder forte.

As sanções contra a Rússia e mais ajuda de longo prazo para a Ucrânia devem ser discutidas no primeiro dia da cúpula. O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, participará das conversações por meio de um link de vídeo.

No segundo dia do evento, devem se juntar ao grupo os líderes da Indonésia e da Índia, futuros titulares da presidência do G20, o Senegal, titular da presidência da União Africana, a Argentina, presidente da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos, e a África do Sul. Eles também estarão envolvidos nas discussões sobre como atingir as metas climáticas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, viajou neste sábado à Alemanha, após assinar uma lei história sobre o controle da venda de armas de fogo. Antes do início da cúpula, ele deve manter conversas bilaterais com Scholz.

le (DW, ARD, ots)