Giro

Propaganda em sonhos: marcas querem incutir, mas seria possível?

Crédito: Pexels

Os pesquisadores podem identificar quando a maioria das pessoas entra no estágio do sono (Crédito: Pexels)

Empresas dos Estados Unidos querem atingir os consumidores dentro de seus sonhos. Marcas como Xbox, Molson Coors e Burger King estão desenvolvendo uma “projeção de anúncios” nos sonhos de consumidores. As informações foram divulgadas pela revista Science.

Segundo a reportagem, a ciência moderna abriu um novo mundo de possibilidades para esse campo. Pesquisadores agora podem identificar quando a maioria das pessoas entra no estágio do sono em que ocorre grande parte dos nossos sonhos. Além disso, é possível perceber como estímulos externos (como sons, cheiros, luzes e fala) podem alterar o conteúdo dos sonhos.

+ Estudos já demonstram eficácia da vacina contra a Covid-19
+ Cães já nascem preparados para comunicar com humanos, indica estudo

Um exemplo desse tipo de experimento ocorreu no início deste ano, por meio da campanha da Molson Coors. 



A cervejaria, que apresenta montanhas e cachoeiras em seu logotipo, fez com que 18 pessoas (12 deles atores pagos) assistissem a um vídeo de 90 segundos com cachoeiras, montanhas e cerveja Coors, logo antes de adormecer.

De acordo com um vídeo divulgado documentando a iniciativa, quando os participantes acordaram do sono, cinco relataram ter sonhado com cerveja ou soda Coors. A técnica é chamada de incubação de sonho direcionado (ou TDI, na sigla em inglês) – que orienta sonhos para temas específicos.

A reportagem da Science destaca que nos Estados Unidos ainda não há regulamentos que tratem especificamente da publicidade nos sonhos.

Uma pesquisadora do assunto, Deirdre Barrett, da Universidade de Harvard, Estados Unidos, afirmou à reportagem que não considera a intervenção uma verdadeira “experiência”, e reconheceu que o anúncio da Coors utilizava terminologia científica “com tons de exagero sobre experimentação de controle da mente”.

Barrett pensa que estratégias publicitárias como estas terão pouco impacto prático. “Claro que se pode fazer publicidade com alguém enquanto está dormindo, mas quanto a ter um efeito, há poucas provas”. A incubação de sonhos “não parece ser muito rentável” em comparação com as campanhas publicitárias tradicionais, disse ela à CNBC.

Assista abaixo a campanha da Coors:

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago