Ciência

Propagação da COVID-19 acelera no Brasil, Peru e Chile

Propagação da COVID-19 acelera no Brasil, Peru e Chile

Brasil preocupa particularmente a la OPS en Sudamérica, por sus altas cifras de nuevos casos diarios de covid-19 - AFP/Arquivos

A propagação da COVID-19 está acelerando no Brasil, no Peru e no Chile, informou nesta terça-feira a agência regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), exigindo a aplicação de medidas de distanciamento social, mais testes de diagnóstico e adaptação dos serviços de saúde para salvar vidas.

“Na América do Sul, estamos particularmente preocupados que o número de novos casos relatados na semana passada no Brasil tenha sido o mais alto em um período de sete dias desde o início do surto”, declarou Carissa Etienne, diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), com sede en Washington.

“Tanto o Peru quanto o Chile também estão relatando uma alta incidência, um sinal de que a transmissão ainda está acelerando nesses países”, acrescentou.

O continente americano “sem dúvida” se tornou o epicentro da pandemia, declarada em 11 de março pela OMS depois que o novo coronavírus foi detectado no final de 2019 na China.

Etienne disse que agora, com um total de 726.921 casos e 39.560 mortes relatadas em 25 de maio, segundo a Opas, a América Latina superou a Europa e os Estados Unidos no número diário de infecções.

Etienne pediu aos países que não abaixem as armas nos esforços para conter infecções, estimadas em mais altas do que as detectadas.

“Para a maioria dos países das Américas, agora não é hora de relaxar as restrições ou reduzir as estratégias preventivas”, alertou.

– Mais testes –

Para enfrentar a COVID-19, a Opas recomenda uma combinação de medidas de distanciamento físico da população, testes de diagnóstico e preparação de serviços de saúde

Marcos Espinal, diretor de Doenças Transmissíveis e Análise da Saúde da Opas destacou especialmente a necessidade de aumentar a capacidade de teste para impedir a progressão da doença.

“A maioria dos países da América do Sul ainda não está testando no nível que deveria”, disse ele, apontando o Chile como uma exceção.

– “Forte aumento” na Nicarágua –

Etienne também alertou sobre o crescimento esperado de casos e mortes no México, El Salvador, Guatemala e Colômbia.

Além disso, enfatizou o “forte aumento” do surto na Nicarágua, onde o governo de Daniel Ortega foi questionado por responder à pandemia sem medidas de contenção e por convocações em massa.

“Apelamos a todas as entidades públicas e privadas da Nicarágua para que implementem, com efeito imediato, todas as recomendações fornecidas pela Opas”, disse o diretor de Emergências em Saúde da organização, Ciro Ugarte, quando questionado sobre o país da América Central.

– O risco de DNTs –

Outro fantasma assombra a região das Américas: o maior impacto da pandemia nas pessoas com Doenças Não Transmissíveis subjacentes (DNTs), como diabetes, doenças cardiovasculares, câncer e doenças respiratórias crônicas, doenças frequentemente associadas à dieta, uso de tabaco, estilo de vida e pobreza.

“Nunca vimos uma relação tão mortal entre uma doença infecciosa e as DNTs. Alguns dos dados são realmente alarmantes. Especialmente em nossa região, onde as DNTs são amplamente disseminadas”, destacou Etienne.

No continente americano, uma em cada quatro pessoas sofre de DNT.

Estudos recentes citados por Etienne indicam que pessoas com diabetes têm duas vezes mais chances de ficar gravemente doentes ou morrer de COVID-19, e 28% dos pacientes com câncer infectados pelo novo coronavírus morreram, em comparação com 2% de pacientes em geral.

Fumar também aumenta a chance de complicações da COVID-19.

Etienne lembrou que o tratamento de pacientes com DNTs tem sofrido com medidas para ficar em casa, interrupções na prestação de serviços de saúde, bem como o medo da população de frequentar centros de saúde devido ao risco de contágio pelo coronavírus.

“Esse desafio deve ser enfrentado pelos sistemas de saúde em nossa região ou enfrentaremos uma epidemia paralela de mortes evitáveis de pessoas com DNT”, alertou.

Antes do surgimento da COVID-19, 81% de todas as mortes na região das Américas eram devidas a DNTs e 39% das vítimas fatais tinham menos de 70 anos.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança