Giro

Promotorias do Rio e de SP miram em grupo que fomenta ataques pela deepweeb

Os Ministérios Públicos de São Paulo e do Rio de Janeiro deflagraram na manhã desta terça-feira, 7, por meio de seus Grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, a segunda fase da Operação Iluminate, para identificar integrantes de uma organização criminosa que fomenta ódio e ataques, especialmente contra minorias e mulheres, em fóruns da deepweb. Três pessoas foram presas.

Apoiada pela Polícia Militar dos dois Estados, a ação cumpriu ainda cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo (3), Franca (1) e Rio de Janeiro (1). As medidas foram determinadas pela Vara Especializada em Processos contra Organizações Criminosas de São Paulo.

Segundo a Promotoria, foram aprendidos diversos dispositivos eletrônicos que serão submetidos à perícia. O Ministério Público de São Paulo informou que passou a monitorar as interações nos fóruns da deepweb após o ataque a Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, em março de 2019. O massacre deixou dez mortos, incluindo os dois atiradores.

Segundo a Promotoria, o ataque foi idealizado e estimulado por um “chan” (fórum) da darkweb chamado Dogolachan.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago