Negócios

Problema na produção do Boeing 787 leva regulador a revisar controle de qualidade

Problemas de produção em uma fábrica do Boeing Co. 787 Dreamliner levaram os reguladores de segurança aérea dos EUA, a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês), a revisarem as falhas de controle de qualidade que remontam a quase uma década, de acordo com um memorando interno do governo e pessoas familiarizadas com o assunto.

A fabricante de aviões disse aos reguladores da aviação dos EUA que produziu certas peças em suas instalações na Carolina do Sul que não atendiam aos seus próprios padrões de design e fabricação, de acordo com um memorando interno da Administração Federal de Aviação de 31 de agosto obtido pelo The Wall Street Journal.

Como resultado de seções “não conformes” da fuselagem traseira, ou corpo do avião, que ficaram aquém dos padrões de engenharia, de acordo com o memorando e fontes, uma revisão de alto nível da FAA está considerando a obrigatoriedade de inspeções aprimoradas ou aceleradas que poderiam abranger centenas de jatos.

O memorando, uma atualização de rotina ou um resumo das questões de segurança pendentes no escritório da FAA em Seattle, que supervisiona o design e as questões de fabricação da Boeing, diz que tal diretriz de segurança pode abranger até cerca de 900 dos cerca de 1.000 Dreamliners entregues desde 2011.

O texto final depende do resultado das análises em andamento da Boeing e da agência, bem como das decisões do alto escalão da FAA. A extensão da revisão reflete que as preocupações da agência são significativas.

A Boeing disse aos reguladores que um defeito resultante da falha no controle de qualidade não representa uma ameaça imediata à segurança da frota carro-chefe da Boeing de Dreamliners, disseram pessoas a par do assunto.

Os jatos wide-body têm um excelente histórico de segurança e são frequentemente usados em rotas internacionais. Os reguladores não estão preparando uma ação imediata e não sinalizaram publicamente quais medidas podem tomar.

Mas esse deslize, combinado com outro defeito recentemente descoberto na linha de montagem, levou a Boeing a tomar uma atitude incomum no final de agosto de dizer voluntariamente às companhias aéreas que deixassem oito de seus 787s para reparos imediatos. Desde então, a Boeing confirmou publicamente que os oito aviões não eram seguros para permanecer em serviço.

Os dois defeitos juntos levaram a Boeing a determinar que os oito jatos não atendiam aos “requisitos de solidez estrutural para voo e pouso seguros”, de acordo com o memorando da FAA, que resumiu a situação do exame da agência sobre o assunto.

A Boeing também determinou que o segundo defeito por si só não representa um risco iminente de segurança.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?