Giro

Primeiro transplante de coração artificial total com sucesso nos EUA

Crédito: Reprodução/Divulgação

O batimento cardíaco é criado por um fluido atuador que o paciente carrega na bolsa fora do corpo e o coração é bombeado usando micro-bombas (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Cirurgiões do Duke University Hospital recentemente transplantaram um coração artificial total (TAH) em um homem de 39 anos que apresentou insuficiência cardíaca súbita. Ao contrário dos corações artificiais convencionais, este TAH imita o coração humano e fornece ao receptor mais independência após a cirurgia, disse a universidade em um comunicado à imprensa.

O dispositivo foi desenvolvido pela empresa francesa CARMAT e consiste em duas câmaras ventriculares e quatro válvulas biológicas que garantem que a prótese não só se assemelha ao coração humano, mas também funciona como tal.

+ Dubai produz chuva falsa para combater a onda de calor de 50°C

O batimento cardíaco é criado por um fluido atuador que o paciente carrega na bolsa fora do corpo e o coração é bombeado usando micro-bombas em resposta às necessidades do paciente, conforme determinado pelos sensores e microprocessadores no próprio coração.



Duas saídas conectam o coração artificial à aorta, que é uma das principais artérias do corpo, bem como a artéria pulmonar que leva sangue aos pulmões para oxigená-lo. O batimento cardíaco é criado por um fluido atuador que o paciente carrega na bolsa fora do corpo e o coração é bombeado usando microbombas em resposta às necessidades do paciente, conforme determinado pelos sensores e microprocessadores no próprio coração. Duas saídas conectam o coração artificial à aorta, que é uma das principais artérias do corpo, bem como a artéria pulmonar que leva sangue aos pulmões para oxigená-lo.

O paciente receptor, um residente de Shallotte, Carolina do Norte, foi diagnosticado com insuficiência cardíaca súbita no Duke Center e teve que se submeter a uma cirurgia de ponte de safena. No entanto, sua condição se deteriorou rapidamente, tornando-o impróprio para um transplante de coração. Felizmente, o Centro foi um dos locais de teste onde CARMAT está testando seu coração artificial após ter recebido aprovações primárias da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos.

O receptor se encontra estável e sendo monitorado no hospital; o coração continuará conectado ao Hospital Care Console (HCC) para que seu funcionamento possa ser monitorado. Como parte dos esforços para levar uma vida quase normal, o destinatário terá que carregar uma bolsa de quase nove libras (quatro kg) que consiste em um controlador e duas baterias recarregáveis ​​que funcionam por aproximadamente quatro horas, antes de precisar recarregar.

O dispositivo já foi aprovado para uso na Europa, mas destina-se apenas a  ser uma ponte para pacientes que são diagnosticados com insuficiência cardíaca biventricular em estágio terminal e que provavelmente serão submetidos a um transplante cardíaco nos próximos 180 dias, afirma a empresa em seu site.

No ano passado, o Duke University Hospital começou a transplantar corações de doadores que morreram de insuficiência cardíaca, mas reanimando-os em pacientes receptores. Tendo realizado mais de 50 cirurgias desse tipo apenas no ano passado, o hospital foi capaz de reduzir o tempo médio de transplante de coração para 82 dias. Como um dos seis grandes hospitais dos Estados Unidos que oferecem serviços de transplante de coração, o hospital já está ajudando a reduzir o tempo de espera e o número de mortes que ocorrem durante a espera por um transplante de coração.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km