Economia

Previ venderá participações para reaplicar em outras empresas, diz presidente

A Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, reduzirá de forma sutil a participação de sua carteira em renda variável, sem movimento brusco, disse nesta segunda-feira, 1, o presidente da fundação, José Maurício Coelho. O executivo participa nesta manhã da cerimônia da estreia da Neoenergia na B3, uma das empresas investidas da Previ.

Sua estratégia será a de desinvestimento líquido, ou seja, o total desinvestido será superior ao investido pela Previ. A fundação, ao mesmo tempo que tem vendido algumas de suas participações – vendeu uma fatia de Neoenergia no IPO, por exemplo -, tem ingressado em outras companhias, como fez mais recentemente em B3 e BR Distribuidora, comentou.

“Deveremos participar ainda dos IPOs previstos”, comentou. O tíquete de entrada, no entanto, será menor, disse. A ideia é ter no máximo 10% da empresa investida, sem participação no bloco de controle. O interesse da Previ é ter investimentos em empresas líquidas, ou seja, listadas em bolsa, o que na visão da fundação facilita a venda de ações detidas depois.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?