Mundo

Presidente francês tenta apaziguar manifestantes antes de novos protestos

Presidente francês tenta apaziguar manifestantes antes de novos protestos

(Arquivo) Integrantes dos 'coletes amarelos' protestam contra políticas do governo Macron - AFP/Arquivos

O Executivo francês tentava, nesta quinta-feira (6), conter a ira dos “coletes amarelos”, dizendo temer uma “enorme violência” durante a nova manifestação anunciada em Paris para o próximo sábado (8), enquanto o descontentamento se espalhava entre os estudantes.

Cerca de 200 escolas e algumas faculdades estavam bloqueadas, ou sofriam perturbações nesta quinta na França, no quarto dia de um movimento de protesto de múltiplas reivindicações dos “coletes amarelos”.

Lixeiras e carros queimados, estruturas públicas urbanas depredadas, confrontos com a polícia: muitas manifestações de estudantes do ensino médio degeneraram em várias cidades da França, lembrando um pouco as imagens dos tumultos ocorridos no último sábado em Paris.

Uma nova manifestação dos “coletes amarelos”, anunciada para o próximo sábado, levanta temores de uma “enorme violência”, declarou o palácio presidencial na quarta à noite, pouco depois de o governo desistir “pelo ano de 2019” dos aumentos de impostos sobre os combustíveis. Esta reivindicação está na origem do movimento dos “coletes amarelos”.

Nesta quinta-feira, o primeiro-ministro Édouard Philippe dá prosseguimento no Senado aos debates iniciados ontem para defender as medidas tomadas. Além do cancelamento do imposto sobre o carbono, trata-se de um congelamento dos preços do gás e da eletricidade neste inverno e da renúncia de endurecer o controle técnico automotivo antes do verão.

Esses anúncios foram considerados insuficientes pelos “coletes amarelos”, com o chefe de Governo reconhecendo que a “raiva permanecia elusiva e incontrolável”.

Na quarta, Edouard Philippe pareceu aceitar uma nova concessão aos “coletes amarelos”, julgando “necessário” um debate sobre a reforma do Imposto sobre a Renda (ISF), um imposto que atingia os mais ricos e cujos “coletes” reivindicam o restabelecimento.

Mas, no final do dia, o presidente Emmanuel Macron pôs fim ao debate, excluindo o retorno do imposto.

Um bônus excepcional de fim de ano, pago pelas empresas para seus funcionários, também faz parte do plano, segundo o ministro das Finanças, Bruno Le Maire.

– ‘Extrema esquerda e extrema direita’ –

A cacofonia do governo sobre o ISF, bem como a demora para uma resposta ao imposto sobre o combustível, parece confirmar o grande temor das autoridades frente ao risco de agravamento da crise.

Neste contexto, Macron pediu solenemente aos partidos políticos, sindicatos e empregadores que “façam um apelo claro e explícito à calma”.

“O que está em jogo é a segurança dos franceses e das nossas instituições”, disse Édouard Philippe aos deputados.

“Todos os atores do debate público – políticos, líderes sindicais, editorialistas e cidadãos – serão responsáveis por suas declarações nos próximos dias”, completou.

Em um raro gesto de união, sete sindicatos responderam ao chamado, denunciando nesta quinta “todas as formas de violência”.

“O diálogo e a escuta devem encontrar seu lugar no nosso país”, escreveram eles.

“É por isso que nossas organizações denunciam todas as formas de violência na expressão de reivindicações”, insistiram os sindicatos.

O Executivo teme, acima de tudo, uma nova explosão de violência no final de semana e o contágio para outros setores.

Além das escolas, o FNSEA, maior sindicato agrícola, anunciou uma mobilização na próxima semana. Dois sindicatos de transporte rodoviário convocaram uma greve a partir de domingo por um período indeterminado.

Em toda França, os chamados de novas mobilizações estão aumentando, e o Ministério do Interior relata uma “mobilização por parte da extrema direita e da extrema esquerda”.