Geral

Presidente do Grupo Vila Galé aposta no turismo como motor do pós-pandemia no Brasil

Crédito: Divulgação

O executivo Jorge Rebelo de Almeida, fundador e presidente do Grupo Vila Galé, de Portugal, maior grupo hoteleiro europeu no Brasil, foi o convidado da live da IstoÉ Dinheiro nesta quinta-feira (04). A rede Vila Galé conta com 28 unidades hoteleiras – 21 estão espalhadas de Norte a Sul de Portugal, e 10 no Brasil, cinco desses são resorts. Na conversa, ele fez uma análise do cenário internacional do enfrentamento à covid-19, falou sobre economia, desemprego e o turismo em tempos de coronavírus, além de traçar um diagnóstico do setor e as perspectivas para o segmento no pós-pandemia. “O turismo pode ser o motor do desenvolvimento econômico no pós-pandemia no Brasil.”

Com efeito, a crise sanitária do coronavírus levou vários setores a terem quedas econômicas brutais, estima-se que o setor de hospedagem foi atingido com perdas que chegam a 90%. De acordo com pesquisa realizada pelo FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil), a abertura de 60% dos hotéis no Brasil se dará nos próximos meses e, com a retomada gradual das atividades, haverá uma movimentação do setor no País, já que muitas pessoas irão buscar por viagens e passeios para compensar o distanciamento social da primeira metade do ano. “Temos que nos preocupar também com a economia, se não curamos da doença e morremos pela cura”, avalia.

+ “O digital chegou e o padrão de comportamento, de vendedores e compradores, mudou”, diz Rebecca Fischer
+ “O Brasil está entre os dez melhores mercados do mundo para a BMW”, diz Julian Mallea

Jorge Rebelo de Almeida não é um negacionista da doença, pelo contrário ele acredita que não se pode menosprezar a transmissibilidade nem tampouco mitificar o infortúnio como uma gripezinha, ele defende que a saúde das pessoas está em primeiro lugar; porém acredita ele que não se deve dramatizar a pandemia.

É sabido pelo segmento de hotelaria que nem de longe a procura pelos serviços relacionados ao turismo nos próximos meses será a mesma de antes da pandemia. Os principais motivos para esse cenário é que a crise econômica trazida pelo coronavírus fez cair muito a renda de uma boa parcela dos brasileiros e o desemprego gritante. “Se deixarmos de investir, seguramente vamos destruir a economia brasileira. A retomada do crescimento passa pelo turismo”, afirma.

Há mais de três décadas no ramo da hotelaria, Rebelo de Almeida avalia que a economia no Brasil voltará a crescer em breve, mas que são urgentes a tomada de decisões econômicas como a reforma tributária. Segundo ele, “o Brasil tem os maiores tributos do mundo.” No entanto, ao contrário de seus pares brasileiros, o empresário português – que afirma que não é adepto do liberalismo econômico – mira no bem-estar social dos brasileiros para reclamar da alta taxação tributária. Cobra-se muito e não entregam nada. “Temos que melhorar a vida das pessoas. Ainda está muito a fazer no Brasil, como, por exemplo, na habitação social, na educação e na saúde do povo. Precisa-se de reformas drásticas.”

Na live, ele faz críticas aos valores cobrados de IPTU em algumas cidades e à infraestrutura do País, como saneamento básico, condições das estradas e de locomoção, apesar de elogiar os aeroportos. Para ele, o País tem que atrair o turista do exterior, que sofre com o alto custo da mobilidade interna e a questão da segurança pública. “O transporte aéreo é escasso é caro e uma imagem de insegurança tremenda.” Ele acredita que o momento do turismo no Brasil, assim que superado o problema da pandemia, é muito especial, em função da desvalorização do Real. “O Brasil ficou muito barato para o turista estrangeiro. Porém, ninguém visita um lugar inseguro. No pós-pandemia vamos relançar o Brasil”, diz.

No bate-papo, Rebelo de Almeida aponta o dedo para a Esplanada do Ministério e diz que o Brasil precisa atrair não só turistas estrangeiros, mas criar condições para valorização do capital internacional; leia-se empresas que não buscam a especulação financeira, mas que vão investir em riquezas palpáveis, tangíveis. Na mesma toada, ele afirma que o País não deve tampouco pode atrair quem visa o turismo sexual. “O Brasil tem um mercado internacional que qualquer turista estrangeiro fica encantado. A simpatia dos brasileiros muitas vezes superam os problemas de infraestrutura”, conclui.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel