Giro

Presidente de cruzeiros no Caribe adverte que mais pessoas podem morrer se não conseguirem atracar

Presidente de cruzeiros no Caribe adverte que mais pessoas podem morrer se não conseguirem atracar

Passageiros usam binóculos a bordo do cruzeiro Zaandam - AFP


O presidente da linha de cruzeiros Holland America, que opera duas embarcações que levam a bordo quatro mortos e dezenas de infectados aparentemente pelo coronavírus, alertou nesta terça-feira (31) que mais pessoas podem morrer se não forem autorizados a atracar no estado da Flórida, nos Estados Unidos.

O cruzeiro “Zaandam” e seu navio assistente “Rotterdam”, implantado para fornecer suprimentos ao primeiro e separar os passageiros em dois barcos, recorreram na segunda-feira ao Canal do Panamá e navegam o Caribe com a esperança de atracar na quinta-feira em Fort Lauderdale, 50 km ao norte de Miami.

No entanto, as autoridades de Fort Lauderdale rejeitam a ideia e o governador da Flórida, Ron DeSantis, disse na segunda-feira que não quer que pessoas contaminadas dos barcos sejam “descartadas” em seu estado e ofereceu, em troca, enviar uma equipe médica.

A Comisssão do Condado de Broward, onde Fort Lauderdale está localizado, deve tomar uma decisão nesta terça-feira.