Presença de mulheres brasileiras em conselhos tem avançado pouco

Presença de mulheres brasileiras em conselhos tem avançado pouco

Dois especialistas em governança corporativa passaram os últimos meses debruçados sobre dados de mais de 1.300 empresas listadas em diversas bolsas do mundo para chegar à conclusão de que, nos últimos anos, o avanço das mulheres brasileiras em direção a uma cadeira no conselho tem sido o mais lento de todos. A pesquisa inclui Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Dinamarca, Noruega, Finlândia, Suécia, Japão e, claro, Brasil. E não só o crescimento aqui é mais lento: ficamos na “lanterninha” desses países.

O estudo ainda inédito dos professores Angela Donaggio e Alexandre Di Miceli, agora na fase do relatório final, revisita os dados de um anterior que, em 2014, já mostrava o Brasil em situação desfavorável. Até então, só 7% das cadeiras titulares de conselhos das empresas listadas eram ocupadas pelas mulheres aqui. O país vinha atrás dos outros da amostra, mas junto da Alemanha e à frente do Japão, com apenas 2% de mulheres nesses assentos.

De lá para cá, com o apoio de uma lei de 2015 que estabelece cotas para as mulheres em conselhos, a Alemanha disparou para 32%. O Japão também tomou fôlego e, mesmo sem cotas,  chegou aos 9,9% embalado pela pressão dos investidores por empresas com diversidade e, mais importante, por uma política ampla e explícita de apoio às mulheres encabeçada pelo governo, na tentativa de driblar o envelhecimento da população. Isso fez com que os japoneses passassem a valorizar como nunca seus talentos femininos, de forma a manter o mercado de trabalho vigoroso e renovado. O Brasil, sem nada parecido, estacionou em 8,2%.

A pressão dos investidores também funcionou no Reino Unido, onde a presença de mulheres em conselhos alcançou 31% com metas recomendadas pelo regulador do mercado. Já os demais países preferiram adotar as cotas, também chamadas de ações afirmativas (nos Estados Unidos, ainda apenas na Califórnia, mas a discussão está avançada em outros estados). Na França, com a lei aprovada em 2011, os assentos em conselhos ocupados por mulheres cresceram de 12% para 48%.

No Brasil, contrariando todos os bons exemplos, as cotas continuam gerando polêmica (desnecessária) e um projeto de lei anda a passo de tartaruga no Congresso. A adoção de metas é voluntária nas empresas, com algumas poucas fazendo compromissos públicos de elevar o número de mulheres não apenas nos seus conselhos, mas também na alta gestão. O que, se bem aplicado, tenderia a acabar com um funil que se estreita rumo ao topo – e que aperta de vez em torno dos 30 a 35 anos de idade da mulher, numa relação direta com a maternidade. Daí até o conselho, elas vão rareando a ponto de quase desaparecer.

A pesquisa tem, ainda, outro achado que ajuda a entender por onde caminha a diversidade de gênero nas corporações: o número de empresas que têm pelo menos uma mulher no conselho chega a 100% no Reino Unido, França, Alemanha e nos países nórdicos (nos Estados Unidos, 99%). Mas ainda desaba quando o número sobe para 3 – só França e Alemanha ficam na lista. O número não é uma escolha aleatória dos pesquisadores.

Baseada em evidências científicas e comportamentais, a teoria da massa crítica diz que é necessário ao menos um terço de representantes de uma categoria dentro de um grupo para que ela possa ser efetivamente representada, e consiga influenciar as decisões desse grupo. Considerando o tamanho médio de um conselho da amostra entre 10 e 11 integrantes, 3 mulheres seria o número mínimo para que pudesse ser chamado de “diverso”. Estamos longe disso – no Brasil, quase 53% das empresas listadas têm uma mulher, mas só 4% têm 3 ou mais nos seus conselhos.

“Ainda assim, uma mulher é melhor que nenhuma mulher. Nossos estudos revelam que ela abre portas para outras quando, atuando dentro de um conselho, deixa de ser percebida como ‘uma mulher’ e passa a ser ‘uma conselheira’. Quando é vista como igual, ela põe abaixo os vieses inconscientes dos homens”, diz Angela Donaggio que, assim como Di Miceli, é professora no IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), nos cursos que preparam conselheiros para atuar nos mais diferentes tipos de empresas.

Mesmo com bons avanços, portanto, todos os países da amostra têm lição de casa para fazer. Na França, só 2,5% dos conselhos são presididos por uma mulher e na Alemanha, 5%. O Japão ainda não venceu essa barreira: nenhuma mulher comanda o conselho de uma empresa listada no país. E mesmo os países nórdicos, referência global no tema, precisam melhorar: 7% dos seus chairman são mulheres. Pelo menos o bom senso funciona e, nesses casos, a posição acaba sendo nomeada como “chairwoman”.

Não por acaso o assunto está aquecido no mundo todo – os maiores investidores do mercado têm exigido diversidade no conselho (e na gestão) de suas investidas, usando evidências de que os resultados das empresas melhoram quando elas buscam eliminar todo tipo de sub-representação. “Nós já sabemos que diversidade, especialmente de gênero, é fundamental para criar uma inteligência coletiva nos negócios”, diz Angela Donaggio. “No Brasil, precisamos olhar com seriedade para isso. E parar de perder um tempo que nem temos mais.”

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O best seller que explica, com humor, que não precisamos de explicações

Todo homem honesto consigo mesmo admite que já derrapou em um episódio de misoginia na vida – ou seja, de alguma maneira foi [...]

Violência doméstica pede prevenção – antes que seja tarde demais

A Lei Maria da Penha completa hoje, 7 de agosto, 14 anos de existência. Ainda assim, ao longo deste dia, algo em torno de 530 denúncias [...]

Investir em mulher é investir em desenvolvimento social

Para quem nunca se deu conta, o trabalho das mulheres contribui com 37% do PIB global. É muita coisa. Se fosse possível somar o [...]

Um dia, alguém puxa a fila

O governo alemão, encabeçado por uma mulher – e das mais empáticas entre as mulheres poderosas destes nossos tempos – acaba de [...]

Lata d’água na cabeça, nunca mais

Numa casa sem água tratada e coleta de esgoto, duas coisas acontecem: os moradores, em especial as crianças, adoecem com mais [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.