Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

Preciosidades do Brasil

Preciosidades do Brasil

A joalheria brasileira Del Lima, das sócias Ali Pastorini e Dione Lima, lançou duas coleções que buscam capturar o estilo de vida da mulher brasileira contemporânea. A Diversity foi desenvolvida para ser usada no dia-a-dia, com peças em ouro 18 quilates fosco e polido, com pérolas, diamantes e pedras preciosas brasileiras. O brinco Expression com diamantes custa R$ 3,5 mil. Já a coleção Jaipur traz joias mais exclusivas. Todas as peças também são em ouro 18 quilates com pedras nobres como morganita, topázio azul, safiras, esmeraldas, kunzita e ametista. O brinco Sensations dessa coleção custa R$ 21,9 mil.

(Nota publicada na Edição 1077 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Seja caridoso: ajude o co-fundador do WhatsApp a se livrar de 10 Porsches

O co-fundador e atual CEO do WhatsApp, Jan Koum, tem uma paixão que nada tem a ver com o mundo digital. Ele é um colecionador de [...]

O circo de Laura Knight vai a leilão

Uma das pinturas circenses mais importantes do mundo estará em leilão no dia 20 de fevereiro na Bonhams, em Londres. O quadro Charivari [...]

Um ingresso de US$ 34 mil para o Louvre

Visitar o Louvre, maior museu de arte do mundo, e caminhar com tranquilidade para apreciar cerca de 380 mil itens e 35 mil obras está [...]

O tempo é doce para a Richard Mille

A grife suíça Richard Mille quer tornar o seu tempo mais doce, divertido e colorido. A nova coleção de relógios da Maison, chamada [...]

O lado comestível da Bvlgari

O luxuoso The Peninsula em Hong Kong, com diárias que podem chegar a mais de R$ 6 mil, está oferecendo aos seus hóspedes um chá da [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.