Tecnologia

Precificação inteligente

A startup Zukkin oferece plataforma que usa Inteligência Artificial para cruzar dados em larga escala e estabelece automaticamente o melhor preço em milhares de produtos.

Crédito: Jefferson Barbato

Preços de produtos definidos por robôs. Nada das intermináveis planilhas de Excel usadas para definir os valores dos milhares de itens de supermercados, farmácias e home-centers, após horas – às vezes dias – de análises das informações pelos profissionais da área de pricing. Startup especializada em inteligência de preços no ramo varejista, a Zukkin lançou uma plataforma que usa Inteligência Artificial para cruzar dados em larga escala, avaliar variáveis e, com dois cliques, estabelecer o melhor preço em 15 mil itens de uma loja. “Trabalhamos com a captura de preços praticados pela concorrência, com pesquisa de campo em tempo real e avaliamos milhões de preços em centenas de comércios diariamente”, afirmou Ricardo Forte, cofundador da companhia (do Grupo Maxinvest) criada há cinco anos.

Junto do sócio (Bruno Fernandes), a ideia inicial era ser uma empresa de comparação de preços para o consumidor, ancorada por um marketplace. No começo, a startup funcionou com o nome Pagpouco.com. Mas a demanda dos próprios supermercados por informações do mercado e dos concorrentes fez o modelo de negócio mudar do B2C para o B2B. “O mercado que achou a gente e não a gente o mercado”, disse Forte. Recebeu aporte da Maxinvest e o empresário Alexandre Nigri entrou no jogo. O investimento – não divulgado – serviu para avanços em tecnologia com foco em big data, data source e business intelligence.

Com nova cara, a Zukkin cresceu. Hoje atende cerca de 80 médias e grandes redes de supermercados de Norte a Sul do Brasil, como Lopes e Veran (da Região Metropolitana de São Paulo), Nordestão (Rio Grande do Norte), Super Lagoa, (Ceará) e Muffato (Paraná). O faturamento, majoritariamente composto por contratos com supermercadistas, além de atender pequena parcela de drogarias e varejo de casa & construção, cresce ano a ano e fechou 2019 nos R$ 10 milhões. A companhia trabalha no sistema SaaS (software como serviço, disponibilizado na nuvem) e o aluguel parte de R$ 600 mensais, dependendo dos serviços contratados.

PREÇO PERSONALIZADO A Zukkin atua em duas frentes. Na Analytics, em que são feitas coletas de informações in loco, com pesquisadores de campo que enviam dados on-line para a plataforma e, assim, é possível mostrar ao varejista a sua competitividade em tempo real. “O cliente consegue acompanhar como está seu preço em relação à concorrência na hora”, afirmou Forte. A segunda vertente é o Pricing, software de automação na precificação. Após cadastro dos produtos, a plataforma analisa o valor pago pela mercadoria junto a fornecedores, mostra o preço praticado por concorrentes, calcula a margem de lucro pretendida pelo varejista e sugere um preço, que pode ser validado ou reajustado manualmente. A ferramenta permite precificar o mesmo produto com cinco valores diferentes: preço regular, de atacado, promocional, de cartão fidelidade e por validade (item que está próximo ao vencimento).

Mix de margem é outra possibilidade. Essa solução foi usada pelo Lopes Supermercados. Nela, é definida uma margem de lucro sobre uma categoria de produtos (refrigerantes, por exemplo) e o varejista trabalha cada item individualmente para chegar ao percentual de ganho desejado. “O mercado pode colocar o preço 3% mais baixo que a concorrente em uma lata de uma marca e 4% mais alto em uma garrafa de dois litros de outra marca”, afirmou. O software já calcula a margem total daquela categoria e mostra os resultados que serão alcançados. Precificar bem é um nó para qualquer varejista. O professor Artur Motta, de Empreendedorismo e Marketing da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), disse que analisar a concorrência é uma premissa básica para a formação do preço. “Mas a quantidade de variáveis envolvidas torna o processo complexo”, afirmou.

A Zukkin tem crescido também durante a pandemia. Os varejistas estão mais atentos aos preços praticados. A Associação Paulista de Supermercados (Apas) disponibilizou gratuitamente aos associados, em parceria com a startup, o painel de variações de preços semanal de 17 categorias de produtos. Os consumidores também estão com os olhos ainda mais abertos para isso, já que muitos estão desempregados ou tiveram redução na renda. Procuram por preço baixo. Seja definido por robôs ou por humanos. Na Zukkin, a opção está tomada.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel