Praia da Grama ganha ondas artificiais em Itupeva

Praia da Grama ganha ondas artificiais em Itupeva

A incorporadora KSM, em parceria com o complexo de alto padrão Fazenda da Grama, em Itupeva, interior paulista, lança em junho a primeira piscina com ondas artificiais para surfe dentro de um condomínio residencial, a Praia da Grama. O espaço contará com uma área e 91 m2. A ideia do projeto, assinado por Gui Mattos, inclui uma faixa de areia natural de meio quilômetro de extensão, vegetação nativa da Mata Atlântica e um mar de pedras.

“Criamos construções radiais, abertas, como se fossem grandes varandas voltadas para o mar”, diz Mattos. A tecnologia por trás da novidade foi importada da Wavegarden, empresa espanhola especializada em criar uma piscina com ondas artificiais com até dois metros de altura. Para aproveitar essa experiência, no entanto, é preciso ser dono de um lote. O preço médio dos terrenos é de R$ 2,2 milhões.

(Nota publicada na Edição 1119 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O Dalmore de R$ 300 mil

O Dalmore de R$ 300 mil O malte único deste uísque de 51 anos foi originalmente destilado em 1966. Por aí, já dá para saber que se [...]

O Lamborghini mais vendido (e valente) do mundo

Para os meros mortais, pode parecer inacreditável a informação de que há uma fila de espera, de três meses, para comprar um carro de R$ [...]

Estilo aos seus pés

Uma das maiores grifes do esporte global, a americana Nike tem como marca registrada os seus tênis inovadores. Lançados num passado [...]

Horas de requinte

Hoje em dia, ninguém precisa mais de relógio para ver as horas. Os celulares cumprem muito bem essa função. Mas ter um acessório lindo [...]

Uma boutique Gucci só para eles

A Gucci acaba de anunciar que abrirá mais uma loja nos Estados Unidos. Trata-se de uma boutique em Beverly Hills, cidade dos ricaços e [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.