Giro

Porque o primeiro choro é tão importante para a saúde do bebê?

Crédito: Reprodução/Pexels

Há uma razão para os pais, parteiras e obstetras ficarem felizes em ouvir os primeiros gritos que confirmam o nascimento de um bebê. (Crédito: Reprodução/Pexels)

Há uma razão para os pais, parteiras e obstetras ficarem felizes em ouvir os primeiros gritos que confirmam o nascimento de um bebê. O choro é um processo que oxigena rapidamente os pulmões, por isso 80% das primeiras respirações que ocorrem imediatamente após o nascimento são choradas.

Para responder essa pergunta, pesquisadores do Murdoch Children’s Research Institute, em Melbourne, na Austrália, conduziram um novo estudo, cujos resultados foram publicados recentemente no “American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine”. A equipe conseguiu capturar imagens dos pulmões de recém-nascidos em sua primeira respiração.

+ Pesquisadores da UnB desenvolvem máscara que inativa coronavírus

Os pesquisadores usaram tecnologia de ponta, a tomografia de impedância elétrica, onde um pequeno cinto é colocado ao redor do tórax do bebê para capturar imagens detalhadas dos pulmões sem interferir no contato com os pais ou nos primeiros socorros do recém-nascido. Esse processo permitiu que a equipe obtivesse imagens de alta resolução de como o ar passa pelos pulmões do recém-nascido a cada respiração.

O professor associado Tingay disse que este estudo recente forneceu a primeira descrição detalhada de como exatamente os pulmões se enchem de ar durante os primeiros momentos após nascimento.

Ficamos surpresos ao ver que a expiração também é de importância crucial durante esses primeiros gritos. Logo após o nascimento, o pulmão ainda corre o risco de colapsar e os espaços de ar podem se encher de líquido novamente quando o bebê expira. Os bebês são extremamente inteligentes porque expiram após um choro e, portanto, movem o gás de áreas bem ventiladas para áreas dos pulmões que ainda estão cheias de líquido, evitando o colapso pulmonar. Os bebês vão continuar fazendo isso até que seus pulmões estejam cheios de ar com segurança e eles possam começar a respirar normalmente ”, detalhou a pesquisadora.

O Dr. David Tingay e sua equipe esperam que esses dados e novas tecnologias ajudem a melhorar os procedimentos de atendimento na sala de parto e a gerenciar melhor a prematuridade extrema .

“ Melhorar as intervenções na sala de parto requer primeiro a compreensão dos processos que definem o sucesso e a falha da respiração ao nascer ” , disse o médico, observando que “ este estudo reduziu significativamente essa falta de conhecimento. Esperamos que poder ver esses padrões únicos de respiração na sala de parto diga aos profissionais de saúde se um bebê precisa de reanimação e também forneça informações sobre a eficácia dessa reanimação ”, concluiu.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel