Giro

Por que os atletas da Rússia competem com uma bandeira neutra em Tóquio?

Crédito: Reprodução/Divulgação

O país foi suspenso das competições esportivas internacionais por conta de um escândalo institucional de doping que envolveu até o Ministério do Esporte (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Quem acompanha as Olimpíadas pode estranhar a presença de atletas que representam a “ROC”. Na prática, é como a Rússia compete em Tóquio 2020. ROC é a sigla em inglês para Comitê Olímpico Russo (Russian Olympic Committee). Isso ocorre porque o país foi suspenso das competições esportivas internacionais por conta de um escândalo institucional de doping que envolveu até o Ministério do Esporte local.

Segundo o Tribunal Arbitral do Esporte, as autoridades esportivas da Rússia adulteraram o banco de dados do laboratório de testes de Moscou para evitar que atletas que tivessem sido pegos no antidoping fossem punidos pela Agência Mundial Antidoping (Wada).

+ Olimpíada: Renato Rezende é eliminado na semifinal do ciclismo BMX

Assim, o Comitê Olímpico Internacional (COI) criou uma bandeira neutra para que atletas que comprovadamente não tinham envolvimento no caso pudessem competir. Quando os russos sobem ao pódio, por exemplo, não é tocado o hino nacional, mas sim o “Concerto para Piano Número 1”, de Pyotr Tchaikovsky.



No Rio 2016, já existia uma punição, mas o COI deu liberdade para os organizadores de cada esporte definirem a aplicação. Os russos competiram com bandeira neutra no atletismo, remo e levantamento de peso. O ROC também apareceu nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang.

Inicialmente, a punição era válida por quatro anos, mas foi reduzida para dois, até o fim de 2022. Desta forma, a Rússia poderá voltar a competir regularmente em Paris 2024. Neste tempo, o país ainda perderá a Copa do Mundo do Catar e os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, que serão disputados em Pequim.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago