Estilo

Por dentro de um apartamento de R$ 40 milhões: fica na Grande BH e coloca Minas Gerais no mapa do alto luxo residencial

Empreendimento da Incorporadora Patrimar, com apartamentos de R$ 15 milhões a R$ 40 milhões, lança a era do superluxo fora do eixo Rio-São Paulo.

Crédito: Divulgação

ALTO PADRÃO As duas torres do condomínio lançado pela Patrimar, presidida por Alex Veiga (abaixo): 15 mil m2 de terreno e vistas de 360 graus. (Crédito: Divulgação)

O local mais alto da região metropolitana de Belo Horizonte, o bairro Vila da Serra, em Nova Lima, tem se tornado para o setor imobiliário também o mais elevado em preço e sofisticação. É lá que está sendo entregue o Apogée, da Incorporadora Patrimar, o mais luxuoso empreendimento em Minas Gerais e um dos mais caros do País, com apartamentos que podem chegar a valer R$ 40 milhões, com a decoração e o acabamento prontos. Dentro do conceito de mansões suspensas, as unidades-padrão têm 671 m² e pé direito de 3,96 metros entre pisos. Há ainda seis vagas na garagem, com personalização opcional para colecionadores. “Trouxemos para Minas Gerais o que existe de mais alto padrão no setor imobiliário do País”, afirmou Alex Veiga, CEO da Patrimar. “Do rodapé ao teto, tudo tem sido pensando com os mais rígidos padrões de qualidade e exigência.” A Somattos Engenharia é parceira da Patrimar no projeto.

As características, realmente, impressionam do térreo à cobertura. Além do paisagismo de Alex Hanazaki, único brasileiro a ter um projeto reconhecido como o “mais bonito do mundo” pelo Asla Professional Awards (consagrado prêmio da arquitetura mundial), o design de interiores foi concebido por Eliane Pinheiro, um dos nomes mais influentes do mercado no segmento. “A iluminação é um dos itens de grande importância do projeto, pois a luz não só cria um cenário como uma atmosfera misteriosa, luxuosa ou lúdica”, disse Eliane Pinheiro. “A luz é magia e, nos empreendimentos, pela posição dos terrenos, conseguimos ter uma luminosidade natural do nascer e do pôr do sol, aproveitando todas as horas dos reflexos da luz nas montanhas que nos cercam.”

Rafa Pereira

Construídos em um terreno de 15 mil m² e vista 360 graus, os 26 apartamentos em cada torre, um por andar, têm cinco suítes. O comprador tem liberdade para fazer praticamente o que quiser, customizando seu apartamento desde os pilares laterais até as lajes. As plantas são flexíveis e os acabamentos podem ser definidos em um segundo momento. “Com isso, as mansões suspensas, com padrão internacional, são ao mesmo tempo únicas em cada unidade”, disse Veiga, que é dono da cobertura.

CINEMA, ADEGA… Todas as unidades dispõem de atenuação acústica nas esquadrias, nas prumadas e no contrapiso. Também possuem sistema de aspiração central (tecnologia que proporciona conforto e remoção de sujeira), pensado de forma a minimizar ruídos internos às unidades, devido ao posicionamento estratégico de seu motor de sucção nas lajes técnicas. Já as áreas comuns possuem itens como piscinas aquecidas, academia completa com aparelhos da marca Technogym, cinema, adega climatizada para 40 mil rótulos, quadra de tênis de saibro e espaços para relaxamento com uma generosa vista para a paisagem de montanhas.

Graças às vendas do Apogée e do L’Essence, torre vizinha que compõe o complexo imobiliário La Réserve, a Patrimar atingiu seu primeiro bilhão de reais em vendas no ano passado — o dobro do resultado de 2020. Para este ano, a empresa projeta um crescimento de 10%, apesar dos desafios econômicos. “O segmento da alta renda está em expansão e o Apogée será um cartão de visitas para que novos projetos de altíssimo luxo sejam lançados em todo o País”, afirmou Veiga.

O próximo passo é o Rio de Janeiro. Depois do sucesso do Oceana Golf, na Barra da Tijuca, a construtora mineira está lançando o vizinho Atlântico Golf. O Valor Geral de Vendas (VGV) de cada condomínio é estimado em R$ 1 bilhão. O plano, segundo Veiga, é vender R$ 8 bilhões no Brasil até 2024. Com luxo para todos os gostos.