Giro

Pompeo busca fortalecer laços dos EUA com o Caribe

Pompeo busca fortalecer laços dos EUA com o Caribe

Mike Pompeo no aeroporto internacional Juan Santamaría em Alajuela, Costa Rica - AFP

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, procurará nesta quarta-feira na Jamaica fortalecer a influência dos Estados Unidos no Caribe, uma região que nos últimos anos esteve muito ligada à Venezuela do falecido Hugo Chávez e seu sucessor, Nicolás Maduro.

A Jamaica é a última parada de um tour de Pompeo pela América Latina e pelo Caribe, que o levou na segunda-feira à Colômbia e terça-feira à Costa Rica, e foi marcada pela crise venezuelana, exacerbada depois que Maduro assumiu um ano atrás um segundo mandato após uma reeleição muito questionada.

“Realizarei uma reunião importante com os líderes do Caribe para discutir como podemos trabalhar juntos para promover nossos valores democráticos comuns e a prosperidade de nossos povos”, disse Pompeo, detalhando sua viagem em um discurso na sexta-feira na sede da Organização das Nações Unidas Estados Americanos (OEA).

As nações do Caribe se beneficiam há anos de generosos subsídios ao petróleo por parte do governo chavista por meio da aliança energética da Petrocaribe, cujas contribuições caíram em meio ao desastre econômico da Venezuela e à queda na produção de petróleo bruto.

E essa proximidade parece estar mudando.

Em Kingston, capital de um dos principais aliados dos Estados Unidos no Caribe, Pompeo participará nesta quarta-feira em uma mesa redonda com os ministros das Relações Exteriores da Jamaica, Bahamas, Belize, Haiti, República Dominicana, São Cristóvão e Nevis e Santa Lúcia.

“Isso enfatizará nosso apoio à democracia, direitos humanos, desenvolvimento e cooperação em segurança”, afirmou um funcionário americano que não quis ser identificado.