Giro

Políticas de baixo carbono podem prejudicar pequenas empresas e famílias

Crédito: Reprodução/Unsplash

Os pesquisadores analisaram se cada tipo de política teve um efeito positivo ou negativo em várias áreas ambientais, industriais e socioeconômicas. (Crédito: Reprodução/Unsplash)



Algumas das opções de políticas de baixo carbono usadas atualmente pelos governos podem ser prejudiciais para as famílias e pequenas empresas menos capazes de gerenciar os custos adicionais de curto prazo dos aumentos dos preços da energia, de acordo com um novo estudo.

No entanto, também sugere que este tipo de políticas de descarbonização, de cotas a tarifas de aquisição, pode ser projetado e equilibrado para beneficiar empresas locais e famílias de baixa renda – vital para alcançar o carbono ‘Zero Líquido’ e uma recuperação verde.

+ Grandes empresas e startups pagam agricultores para que eles ‘plantem carbono’
+ Armazenar carbono, solução milagrosa para os industriais, quimera para as ONGs

Os pesquisadores da Universidade de Cambridge vasculharam milhares de estudos para criar a análise mais abrangente até o momento de tipos amplamente usados ​​de políticas de baixo carbono e compararam seu desempenho em áreas como custo e competitividade. Os pesquisadores também colocaram todos os seus dados em uma ferramenta online interativa que permite aos usuários explorar evidências em torno das políticas de redução de carbono em todo o mundo.




“A menos que as políticas de baixo carbono sejam justas, acessíveis e economicamente competitivas, elas terão dificuldade para garantir o apoio público – e mais atrasos na descarbonização podem ser desastrosos para o planeta”, disse a autora do estudo, Dra. Cristina Peñasco, especialista em políticas públicas da Universidade de Cambridge.

Os pesquisadores analisaram se cada tipo de política teve um efeito positivo ou negativo em várias áreas ambientais, industriais e socioeconômicas. Quando se trata de “consequências distributivas” – a justiça com que os custos e benefícios são distribuídos – a massa de evidências sugere que o impacto de cinco dos dez tipos de políticas é muito mais negativo do que positivo.

Por exemplo, as tarifas feed-in pagam aos produtores de eletricidade renovável acima das taxas de mercado. Mas esses custos podem elevar os preços da energia para todos se forem repassados ​​para as famílias – fazendo com que os menos abastados gastem uma porção maior de sua renda em energia.


As receitas de impostos ambientais podem ir para benefícios sociais ou créditos fiscais, por exemplo, redução de impostos corporativos para pequenas empresas e redução de impostos de renda, proporcionando o que os pesquisadores chamam de “dividendo duplo”: estimular economias e reduzir emissões.

Os pesquisadores argumentam que a criação de um “equilíbrio” de políticas bem elaboradas e complementares pode beneficiar diferentes produtores de energia renovável e tecnologias “limpas” em vários estágios.