Giro

Polícias americanos despedidos: estavam perseguindo Pokémons em vez de assaltantes

Crédito: Reprodução/Redes Sociais

A dupla de agentes ignorou um pedido de ajuda que chegou pelo rádio para continuar tentando capturar um Snorlax no jogo Pokémon Go. (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

A câmera a bordo do carro-patrulha da polícia de Los Angeles não deixou lugar para dúvidas: a dupla de agentes ignorou um pedido de ajuda que chegou pelo rádio para continuar tentando capturar um Snorlax no jogo Pokémon Go. Pelo rádio chegava um pedido de ajuda para interceptarem ladrões que tinham acabado de roubar uma loja nas proximidades. Os dois agentes alegaram não ter ouvido o pedido, mas acabaram por ser despedidos.

As imagens da câmera a bordo mostram que “durante aproximadamente 20 minutos, [o vídeo] mostra [os agentes] falando de Pokémons, à medida que conduzem para diferentes localizações onde as criaturas virtuais estavam aparecendo nos seus telefones”, de acordo o documento que foi divulgado.



+ Carta Pokémon é leiloada na França por quase 12.000 euros

Enquanto os agentes Louis Lozano e Eric Mitchell buscavam Pokémons, outro agente, Capt Davenport, estava próximo a loja quando o assalto ocorreu e revelou ter visto o carro-patrulha da dupla de agentes estacionado numa rua próxima. Como estes agentes não responderam à chamada, o Capt Davenport agiu sozinho e viu o carro-patrulha seguindo em outra direção.

Nas gravações é possível ouvir o agente Mitchell dizendo a Lozano que um Snorlax apareceu num cruzamento próximo e o carro depois segue nessa direção, ouvindo também durante os 20 minutos seguintes uma discussão sobre o jogo, nomeadamente sobre batalhas entre o Snorlax e o Togetic e que “os tipos vão mesmo ficar com inveja”. O Snorlax é uma captura de relativa raridade naquele jogo.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



A investigação em torno do acontecido concluiu que os agentes estavam jogando durante o turno, que mentiram na sua defesa e que falharam em prestar o suporte que lhes foi solicitado, concluindo pelo desligamento dos dois polícias. O tribunal de recurso rejeitou o pedido dos agentes e manteve a demissão.