Giro

Policiais franceses comparecem à justiça por espancamento de homem negro

Crédito: AFP

Esta captura de vídeo tirada em 27 de novembro de 2020 de um vídeo da AFP mostra imagens da câmera CCTV, amplamente distribuídas nas redes sociais, mostra o produtor Michel Zecler sendo espancado por policiais na entrada de um estúdio de música no 17º arrondissement de Paris em 21 de novembro , 2020. Quatro policiais franceses foram detidos para interrogatório em 27 de novembro de 2020 depois que um vídeo os mostrou espancando um produtor de música negra em Paris, gerando indignação do governo e de celebridades, disse uma fonte próxima ao caso à AFP (Crédito: AFP)

Quatro policiais franceses compareceram à justiça neste domingo (29), acusados de terem espancado e insultado um produtor de música negro, um incidente que revoltou a França e intensificou o debate sobre a controversa nova legislação de segurança.

Dezenas de milhares de pessoas protestaram em toda a França no sábado contra um projeto de lei de segurança, que restringiria o direito da imprensa de publicar os rostos dos polícias em serviço.

+ Milhares protestam contra lei de segurança na França, abalada por caso de violência policial
+ Agressão a homem negro na França reacende debate sobre violência policial e racismo

Em Paris, a manifestação terminou com confrontos.

O espancamento do produtor musical Michel Zecler, revelada em um vídeo publicado na semana passada, tem provocado intensas críticas à polícia na França, acusada de racismo institucionalizado e marginalizar negros e árabes.

Em Paris as manifestações terminaram com o incêndio de um bar-restaurante, assim como de vários carros, Os manifestantes lançaram pedras contra as forças de segurança, que responderam com gás lacrimogêneo.

Entre os feridos estava o fotógrafo sírio Ameer al Habi, que é colaborador da AFP.

Segundo a polícia 62 agentes ficaram feridos nas manifestações e 81 pessoas foram detidas. O ministro do Interior, Gerald Darmanin, disse que a violência nos protestos era “inaceitável”.

Quatro policiais foram presos pelo espancamento de Zecler, e três deles estão sendo investigados especificamente pelo uso de violência racial e por terem feito declarações falsas.

Após serem interrogados pela Corregedoria Geral da Polícia Nacional (IGPN) eles foram entregues às autoridades judiciais, que devem decidir os próximos passos, incluindo o eventual indiciamento.

O projeto de lei criminalizaria a publicação de imagens de policiais em serviço se existir a intenção de prejudicar sua “integridade física ou psicológica”.

O texto foi aprovado pela Assembleia Nacional, mas ainda precisa da aprovação do Senado.

O debate sobre a controversa lei e a violência policial se tornou uma nova crise para o governo do presidente Emmanuel Macron, que enfrenta a pandemia e suas consequências econômicas, assim como uma série de problemas no cenário internacional.

Macron disse na sexta-feira que as imagens das agressões de Zecler “nos envergonham” e pediu ao governo francês que apresente propostas para “lutar contra a discriminação”.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel