Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Pode falar. O Google quer te ouvir

Pode falar. O Google quer te ouvir

Conferência para desenvolvedores, a Google I/O 2019 deu a pista do futuro da empresa. Menos toques, mais comandos de fala. Avanços em Inteligência Artificial permitirão, por exemplo, alugar um carro dizendo meia dúzia de palavras – “quero um modelo econômico na locadora tal” – para se ter acesso ao site e agendamento da reserva sem qualquer toque na tela. Grande parte do avanço está em reduzir o espaço do assistente virtual de 100GB para 0,5 GB, fazendo com que ele rode no celular, sem precisar de conexão. Outra área chave é a de realidade aumentada. Pesquisas de imagens ganharão nova dimensão, com modelos em 3D, e interfaces de tradução instantânea permitirão a inclusão social de analfabetos, por exemplo. Não à toa o evento foi movido pelo lema “organizar as informações do mundo e torná-las universalmente acessíveis e úteis”.

(Nota publicada na Edição 1120 da Revista Dinheiro)


Mais posts

WhatsApp é hackeado

NSO Group é uma empresa cibernética israelense fornecedora de governos e agentes de segurança. Ela se tornou globalmente famosa no [...]

Lenovo anuncia primeiro notebook de tela dobrável

A Lenovo afirmou que irá produzir o primeiro notebook dobrável do mundo e liberou imagens de um protótipo do ThinkPad. A empresa [...]

“Tornar fácil fazer negócios em qualquer lugar”

Missão do Alibaba.com (Nota publicada na Edição 1121 da Revista Dinheiro)

Filtro dá up ao Snapchat

O fim de semana do Dia das Mães foi tomado pelos filtros que transformavam o rosto das pessoas dando a elas uma versão ‘baby face’. Ao [...]

Nova fronteira da IA: reconhecimento de voz

Se a primeira era da interação homem-máquina foi tátil (daí o digital), a segunda será por voz. A Pandorabots, empresa que tem sedes em [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.