Economia

Pix cresce entre transferências e golpes dsiparam; veja 6 dicas para não cair em nenhum deles

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Especialista destaca que, conforme os serviços financeiros avançam no ambiente digital, é fundamental que aumentem cuidados de quem faz os pagamentos (Crédito: Arquivo/Agência Brasil )

O Pix caiu no gosto dos brasileiros. A estimativa é que a representatividade do sistema de transferências e pagamentos instantâneos do Banco Central já chega a 30% – número bem superior aos 7% registrados em novembro de 2020, quando foi lançado. E de novembro a junho, o montante em movimentações superou R$ 441 bilhões.



Os números são expressivos  e novas funcionalidades devem ser anunciadas nos próximos meses – como o open banking, o Pix saque, que permitirá o saque de dinheiro em estabelecimentos autorizados, e o Pix offline, no qual o cliente poderá pagar contas mesmo sem conexão com a internet -, o que deve aumentar ainda mais o montante de usuários da modalidade.

+ Pix poderá ser usado em aplicativos de mensagens e compras on-line

Francisco Carvalho, CEO da techfin Zipdin, acredita que o Pix tem tudo para se tornar o principal meio de pagamento no País e, consequentemente, um alvo de criminosos.

“Conforme os serviços financeiros avançam no ambiente digital é fundamental que aumentem também os cuidados de quem faz compras ou pagamentos pelo celular e desktops para evitar cair em fraudes e golpes”, explica o executivo.



Pensando na segurança de quem usa o novo sistema, com base em recomendações do Banco Central, o CEO da Zipdin listou seis pontos de atenção para os usuários do Pix.

Dicas para evitar golpes

1- Utilize apenas o site e aplicativo do seu banco para fazer pagamentos, cadastrar seu Pix ou realizar qualquer transação, e evite clicar em links recebidos via SMS ou por e-mails. Eles podem ser provenientes de sites falsos. E não passe nenhuma informação sobre a sua conta por telefone.

2- Não use wi-fi de shoppings, bares ou qualquer outro tipo de local público para realizar suas transferências. Pode haver vírus que colocam em risco seus dados.

3- Chave Pix à qual deve ser direcionada uma transferência é uma coisa, senha para concluir o Pix é outra . Nunca passe sua senha para ninguém, a informação a ser compartilhada para a realização de uma transação é seu CPF, e-mail, chave aleatória ou número de telefone, conforme sua escolha na hora de cadastrar seu Pix no seu banco.

4- Atenção aos pagamentos por campo de proximidade, o famoso NFC. Alguns terminais para esse tipo de transação podem ter sofrido alterações para roubar dados. Se notar algo suspeito, opte por outra forma de pagamento para garantir sua segurança.

5- Desconfie dos pedidos de Pix que chegam via Whatsapp, mesmo que eles venham de números de conhecidos de amigos e parentes. A clonagem das contas de Whatsapp tem acontecido com frequência e o recomendado é sempre desconfiar, e confirmar por telefone ou pessoalmente a solicitação antes de efetuar o envio do dinheiro.

6- Cuidado com QR Codes falsos. O QR Code, sem dúvidas, facilita muito o dia a dia ao agilizar as transações por meio da captura do código. No entanto, certifique-se de que o valor que consta no QR Code e o destino do dinheiro estão corretos antes de realizar pagamentos e transferências.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?