Agronegócio

PIB agropecuário fecha 1º semestre em forte alta de 9,81%, diz Cepea

São Paulo, 15 – O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro acumula alta de 9,81% no primeiro semestre deste ano em comparação com igual período do ano passado, informou, em nota, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), que calcula o indicador em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Ainda conforme o Cepea, considerando-se o desempenho do agronegócio e da economia do País até o momento, a participação do agronegócio no PIB nacional deve se manter em torno de 30% neste ano. “Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso vem dos resultados observados para o ramo agrícola, tendo em vista que o pecuário caiu no balanço do primeiro semestre de 2021”, diz a nota.

Na área agrícola, o avanço foi mais forte ainda, de 14,46% no primeiro semestre, sendo que o segmento primário (agricultura) manteve o destaque, em razão dos elevados preços das commodities agrícolas. “No entanto, o avanço dos custos com insumos e as quebras de produção em diferentes culturas, devido ao clima desfavorável, limitaram o crescimento do PIB”, adverte o Cepea.

Já o PIB pecuário recuou 2,18% no primeiro semestre, em razão dos custos com insumos – seja dentro da porteira, na agroindústria ou nos agrosserviços do ramo. “No segmento primário (pecuária), o PIB cresceu de forma modesta, tendo em conta as fortes elevações dos preços dos animais vivos e do leite”, diz o Cepea, que complementa: “Isso porque a alta dos custos foi mais intensa do que a alta dos valores dos produtos.” Além disso, pesquisadores do Cepea ressaltam que pesou sobre o PIB a menor produção de bovinos no campo – atividade de maior representatividade no PIB do segmento -, que se contrapôs aos aumentos nas produções de frango e suínos.



Em relação à produção agroindustrial e aos serviços ligados ao agronegócio, o forte resultado de ambos na área agrícola chamou a atenção, diz o Cepea. “Na agroindústria, a recuperação do nível de produção foi intensificada a partir de abril, e os setores que se destacaram foram o de produtos e móveis de madeira, de papel e celulose, o setor têxtil e de vestuário, o de produção de conservas e o de bebidas”, diz o relatório.

Já no caso dos serviços ligados ao setor agropecuário, o forte avanço do PIB esteve atrelado aos desempenhos a montante – ao bom desempenho do campo e, mais recentemente, à recuperação da produção agroindustrial mencionada -, que contribuíram para a ampliação do uso de serviços diversos, desde comércio e transporte até financeiros, de comunicação, jurídicos, contábeis etc.

Já na agroindústria ligada ao setor pecuário, o Cepea diz que, em geral, a alta das matérias-primas não pôde ser repassada em mesma medida aos preços negociados, diante da fragilização da demanda doméstica, causando um estreitamento das margens. Além disso, o abate de bovinos caiu, por causa da escassez de bois no campo. “Nos agrosserviços, o recuo do PIB no ramo pecuário também refletiu o comportamento a montante.”

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago