Geral

PF prende 18 na operação #underground contra pornografia infantil na internet

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 27, a Operação #underground para combate à pornografia infantil na internet. Dezoito investigados foram presos em São Paulo, Minas, Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Goiás, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Segundo a PF, foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão e 5 de prisão preventiva, todos expedidos pela 8.ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Outros 13 investigados foram presos em flagrante pela posse de material pornográfico.

A PF informou que as investigações apontam não somente o compartilhamento de materiais pornográficos infantis em grupos de aplicativos de celular, mas também indícios de que alguns dos investigados produziam o material compartilhado. Há grande quantidade de arquivos contendo fotos e vídeos de abuso sexual de crianças.

“A PF desenvolveu técnicas de investigação cibernética para o combate a esse tipo de crime, dentro e fora do ambiente da ‘deep web’, tendo identificado os alvos da operação #underground a partir de suas comunicações”, destacou a Federal, por meio de nota.

A investigação aponta, ainda, para o envolvimento de estrangeiros, cujos dados serão encaminhados, por meio da Interpol (Polícia Internacional), para os países onde moram. O crime de publicação de imagens de pornografia infantil prevê pena de 3 anos a 6 anos de reclusão. O efetivo estupro de vulneráveis, tem como pena a reclusão de 8 a 15 anos.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel