Política

PF ataca fraudadores do INSS que ameaçavam servidores

A Polícia Federal está nas ruas nesta terça-feira, 4, para desarticular um grupo criminoso especializado em inserir dados falsos nos sistemas de informação do INSS e criar benefícios a pessoas que não tinham direito a eles.

Batizada de Recidiva, a ação é um complemento da Operação Púnico, deflagrada em março. A investigação teve início porque servidores passaram a ser ameaçados para permitir a continuidade das fraudes mesmo após as três prisões da operação anterior.

Com a ajuda de um servidor que já havia sido preso em abril, o grupo alvo da operação, segundo a PF, obtinha benefícios de auxílio-reclusão fraudulentos para presos.

A investigação para apurar a continuação das ameaças mesmo após a Operação Púnico levou a um líder do grupo. O único mandado de prisão cumprido nesta manhã é contra essa pessoa que comandava o esquema.

Além dessa prisão preventiva, são cumpridos 9 mandados busca e apreensão, além de um novo mandado de prisão contra o homem preso em abril. As ações ocorrem nos municípios de São Paulo, Praia Grande, Diadema, Ribeirão Pires e Aguaí. Todos os mandados foram expedidos pela 3.ª Vara Criminal Federal de Santo André.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel