Finanças

Petróleo opera em baixa, mas dentro de intervalo recente, antes de API e Trump

Os futuros de petróleo caem nesta manhã, mas operando dentro de sua recente faixa de preços, em meio a sinais de avanço constante na produção dos EUA.

Às 10h10 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para maio, o mais líquido na IntercontinentalExchange (ICE), recuava 0,53%, a US$ 56,12 por barril, enquanto o WTI para abril tinha baixa de 0,46% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 53,80 por barril. O Brent para abril, que vence no fim da sessão de hoje, caía 0,63%, a US$ 55,58 por barril.

Os cortes que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros grandes produtores têm feito em sua oferta desde o início de janeiro impediram os preços da commodity de caírem abaixo da marca de US$ 50,00, mas o aumento da produção em outras partes, como nos EUA, limita os ganhos.

No entanto, notícia da agência de notícias Tass de que a Rússia deverá registrar queda de 117 mil barris diários na produção de fevereiro levou alguns observadores a preverem alta nas cotações do petróleo.

Além disso, existe a possibilidade de a Opep estender seu acordo de redução da oferta para além do período inicial de seis meses, que termina no fim de junho, lembrou o banco ANZ em nota a clientes.

Já o Commerzbank manifestou surpresa pelo fato de os preços ainda não terem atingido US$ 60,00 por barril. Para o banco alemão, o alto volume de posições compradas líquidas deveria ser suficiente para impulsionar as cotações, mas isso ainda não se concretizou.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

No fim da tarde, o American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) divulga sua pesquisa semanal sobre os estoques dos EUA. Amanhã, será a vez do levantamento oficial, publicado pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano.

Muitos operadores de commodities também aguardam um discurso do presidente dos EUA, Donald Trump, durante o qual ele poderá falar sobre planos de adotar estímulos fiscais, ampliar gastos com defesa e reformar o setor de saúde. O pronunciamento, que será no Congresso, está previsto para começar às 23h (de Brasília) da noite desta terça-feira. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

Mundo petróleo