Finanças

Petróleo fecha em queda, pressionado por notícias sobre alívio na oferta e Powell



O petróleo fechou em queda nesta terça-feira, 17, pressionado por notícias de possíveis alívios do lado da oferta russa e venezuelana. O arrefecimento do dólar ante rivais chegou a dar fôlego aos contratos futuros, mas o movimento não se sustentou. Comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, sobre o aperto monetário na economia americana também pesaram sobre o óleo.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para junho fechou em queda de 1,58% (US$ 1,80), a US$ 112,40, e na Intercontinental Exchange (ICE), o do Brent perdeu 2,02% (US$ 2,31), a US$ 111,93.

Após operaram em queda na madrugada, os contratos futuros do óleo chegaram a se recuperar das perdas, ajudados pela fraqueza do dólar. No entanto, o movimento se inverteu depois de circularem no mercado informações de que o governo dos Estados Unidos está se movendo para aliviar algumas sanções impostas à Venezuela. As mudanças permitirão à Chevron negociar sua licença com a estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), disseram dois altos funcionários do governo americano à Associated Press.

Enquanto a União Europeia (UE) segue tendo dificuldades de convencer a Hungria a aceitar um embargo do bloco ao petróleo russo, os Estados Unidos devem sugerir um mecanismo tarifário que seria projetado para manter o óleo russo no mercado, mas limitar a quantidade de receita que pode fluir para Moscou das exportações.



A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, afirmou que o país apoia os esforços da UE para aplicar o embargo e disse que o bloqueio poderia ser combinado com a adoção das tarifas. “Estas são duas coisas que podem ser combinadas”, disse Yellen a repórteres em Bruxelas.

De acordo com Edward Moya, da Oanda, se o Ocidente decidir impor tarifas sobre o petróleo russo em vez de um embargo, a oferta será mantida, o que deve limitar o recente rali do petróleo. “O mercado de petróleo continua apertado, mas se a UE adotar a estratégia de colocar tarifas sobre o petróleo russo em vez de eliminá-las gradualmente, a alta dos preços do petróleo pode mostrar alguma exaustão”, destacou, em relatório enviado a clientes.

Já no fim do pregão, a commodity aprofundou quedas em meio a comentários de Powell. O banqueiro central afirmou que reduzir a forte inflação nos EUA, que recentemente atingiu seu maior nível em quatro décadas, será uma “tarefa desafiadora” e que provocará algum dano à economia. Segundo ele, há amplo apoio entre os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) por um novo aumento de 50 pontos-base no mês que vem.








Tópicos

petróleo