Finanças

Petróleo fecha em queda com escalada na tensão EUA-China e PIB chinês


Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta sexta-feira, 22, com o aumento das tensões entre Estados Unidos e China sinalizando maior instabilidade da economia global, ao mesmo tempo em que a pandemia de covid-19 ainda torna incerto o caminho para a retomada da atividade. Além disso, influenciou negativamente o fato de que a China não estabeleceu meta de crescimento para este ano.

O petróleo WTI para julho fechou em queda de 1,98%, a US$ 33,25 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), com elevação de 12,6% na comparação semanal. O Brent para o mesmo mês recuou 2,58%, a US$ 35,13 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE), mas registrou alta de 8,10% na comparação semanal.

Os contratos futuros de petróleo já operavam em queda na madrugada de hoje (horário de Brasília) apagando os ganhos da sessão anterior, em reação às primeiras diretrizes econômicas chinesas, estipuladas pelo Congresso Nacional do Povo. Investidores reagiram com mau humor à decisão da China de não estabelecer uma meta de crescimento para este ano, o que reforça preocupações sobre o impacto econômico da pandemia de coronavírus.

Na avaliação de Eugen Weinberg, do Commerzbank, a considerável queda na produção de empresas de petróleo nos EUA e os cortes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) alimentaram esperanças de que a oferta já poderia contrair no terceiro trimestre. “No entanto, o mercado de petróleo ainda não está fora de perigo”, alerta o analista do banco alemão. “O componente mais importante na equação – a demanda – permanece fraco fora da China”, afirma.

Para Weinberg, a crescente incerteza nos mercados financeiros devido à situação em torno da China, o principal importador de petróleo, também pesou na sessão de hoje.

“As últimas tensões entre os EUA e a China agora estão sendo agravadas por preocupações políticas e econômicas”, diz o analista. “O posicionamento extremamente positivo dos investidores, especialmente no WTI, torna o mercado de petróleo suscetível a correções de preços em caso de dúvidas e incertezas emergentes”, conclui.

Tópicos

petróleo