Finanças

Petróleo fecha em forte queda e WTI desaba quase 25%, com demanda deprimida

Crédito: Agência Brasil/Arquivo

Queda nos preços fo provocada por temores dos impactos do coronavírus na demanda global, que sobrecarregam os espaços de armazenamento (Crédito: Agência Brasil/Arquivo)

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta segunda-feira, 27, com o WTI mais líquido desabando quase 25%, em meio aos persistentes temores quanto aos impactos do coronavírus na demanda global, que sobrecarregam os espaços para o armazenamento da commodity energética.

O petróleo WTI para junho despencou 24,56%, a US$ 12,78, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Já o Brent para julho encerrou em baixa de 7,01%, a US$ 23,07, na Intercontinental Exchange (Ice).

‘Há males que vêm para o bem’, diz Mourão, sobre fim do acordo Boeing-Embraer

Bolsas de NY fecham em alta com desaceleração do coronavírus e gradual reabertura

Após três sessões consecutivas em alta, recuperando-se do colapso registrado no início da semana passada, as cotações voltaram a ficar sob pressão nesta segunda-feira, na contramão de outros mercados de risco, como os acionários.

Analistas atribuem o movimento aos efeitos da covid-19 no consumo de petróleo.

Segundo a vice-presidente encarregada de pesquisa macro em petróleo da Wood Mackenzie, Ann-Louise Hittle, a demanda recuou entre 15 e 18 milhões de barris por dia em parte de abril, quando quarentenas já estavam em vigor em boa parte do mundo. “É um número grande, mas pode ser maior ainda em alguns dias ou semanas”, ressalta.

O Wells Fargo resume o quadro difícil no setor: “Enquanto há uma explicação para a situação atual – não há capacidade de armazenamento suficiente para todo o petróleo – as implicações são igualmente sombrias: o mundo ainda está produzindo muito mais petróleo do que está usando.”

Na próxima sexta-feira, entram em vigor os termos acordados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) para cortes na produção, como forma de equilibrar os fundamentos do mercado. No entanto, conforme ressaltado pelo ING, alguns países devem antecipar as reduções. “Embora adiantar cortes de alguns de produtores seja útil, ele terá pouco impacto no balanço de petróleo no curto prazo”, avalia o banco.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?