Finanças

Petróleo fecha em forte queda com incertezas e indícios da alta oferta

Crédito: Divulgação/Petrobras

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para novembro perdeu 4,31%, a US$ 37,05 o barril, com um recuo de 7,70% na semana. (Crédito: Divulgação/Petrobras)

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda por mais um dia, aumentando a desvalorização semanal. O recuo desta sexta-feira teve influência das incertezas nos mercados, na esteira anúncio de Donald Trump de que contraiu covid-19. Além disso, há indícios globais sobre o excesso de oferta.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para novembro perdeu 4,31%, a US$ 37,05 o barril, com um recuo de 7,70% na semana. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para o dezembro perdeu 4,06%, a US$ 39,27 o barril, com queda de 6,32% na semana, e ficando abaixo dos US$ 39,5 pela primeira vez desde junho.

+ Petróleo sobe em Nova York e cai em Londres após diminuição dos estoques nos EUA 
+ Petróleo fecha em alta com queda dos estoques nos EUA e expectativa por pacote

“A transição energética esteve na vanguarda dos pensamentos do mercado de petróleo esta semana, à medida que a transição para os combustíveis renováveis se acelera em um mundo pós-covid”, apontou o Rabobank, após anúncios como o da anglo-holandesa Shell sobre um projeto para a economia de baixo carbono.



“A política nos Estados Unidos ou no Oriente Médio são os principais elementos de risco”, avaliou o Julius Baer sobre o preço do barril. O Commerzbank segue a visão, apontando que a notícia de que Trump contraiu covid-19 adicionou incerteza a “todo o quadro e deixaram todos os ativos de risco, incluindo futuros de petróleo” em espiral descendente.

“O mercado de petróleo está dominado por preocupações com a estagnação da demanda e os temores sobre o aumento da oferta petrolífera”, acrescenta o Julius Baer. A grande questão por conta do excesso da oferta vem por parte do acordo OPEP+. Os cortes na produção entre maio e julho atingiram seus objetivos, mas posteriormente, houveram problemas no cumprimento das metas.

O Commerzbank aponta que aumento na produção da Rússia, que é parte do acordo, pode encorajar o cartel a “trapacear”. O mesmo seria influenciado pela alta na produção de Irã e Líbia, que não estão no acerto OPEP+, mas são membros tradicionais da Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP).

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago