Finanças

Petróleo fecha em alta, de olho na oferta de Venezuela, Líbia e Irã

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta terça-feira, 16, em dia de liquidez reduzida no volume de negócios por conta do feriado da Sexta-Feira Santa.

O petróleo WTI para maio fechou em alta de 1,02%, a US$ 64,05 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex). Já o Brent para junho avançou 0,76%, a US$ 71,72 o barril na Intercontinental Exchange (ICE).

Há alguns dias, os investidores vêm sinalizando dúvidas sobre o cumprimento do acordo dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados de continuar cortando a produção do óleo para aumentar os preços dos barris.

No entanto, apesar disso, a situação política da Venezuela, as turbulências na Líbia e a possibilidade de os Estados Unidos ampliarem suas sanções ao Irã indicam que a produção do óleo no mundo, mesmo que a Opep decida reverter os cortes acordados em janeiro, deve continuar restrita por ora, o que faz com que o petróleo se valorize.

A decisão de não renovar o pacto da Opep “poderia acontecer, e seria principalmente sobre as diferenças entre a Arábia Saudita e a Rússia”, aliada do cartel, destaca o chefe de pesquisa econômica do Julius Baer, Norbert Rücker, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. Além disso, com os preços atuais, “qualquer elevação adicional traz problemas de inflação de combustível”, ressalta, e, portanto, “os cortes de oferta serão examinados”.

Tópicos

petróleo