Petróleo em xeque e em choque

Petróleo em xeque e em choque

Foi mais do que um mero atentado a uma refinaria saudita. As contas de produção do petróleo estão invariavelmente comprometidas. Os 5% do suprimento mundial — equivalentes a 5,7 milhões de barris/dia, algo como o dobro da produção da Petrobras — que deixam de sair das instalações atingidas sinalizam tempos difíceis para o mercado. Mesmo as alegações dos produtores de que irão normalizar o fornecimento em um mês não diminuem a tensão. O novo choque do petróleo, o maior desde a Guerra do Golfo em 1991, é demolidor em meio aos ventos recessivos que assombram o mundo.

Bolsas derreteram em um primeiro momento temendo desdobramentos ainda mais extremos como o de um conflito na região. O episódio como um todo reforça a sensação de desordem global e alimenta a gestação de crises. No Brasil, a tática de avestruz, como historicamente tem se comprovado, não ajuda muito. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tentou fugir do assunto como o diabo da cruz. Indagado sobre o que fazer qunato às remarcações dos derivados, disse que a política de preço dos combustíveis é com a Petrobras. O governo, oficialmente, estabeleceu que o valor na ponta final da bomba não muda. Por enquanto.

Péssimo sinal. O impacto do ataque incendiário é inevitável e o “congelamento” de tarifas, mesmo que temporário, incita preocupações dos investidores. O tal liberalismo propagado pela equipe econômica está sendo posto em xeque. Mais uma vez. O mandatário Bolsonaro parece querer repetir a ex-presidente Dilma Rousseff, com iniciativas populistas que fracassaram. Teme, sobremaneira, a reação dos caminhoneiros, que já paralisaram o País no ano passado trazendo caos e impactos no PIB.

Nesse aspecto, qualquer aumento na tarifa do diesel por conta da situação tende a ser incendiário — com perdão do trocadilho. O choque do Petróleo em andamento coloca em xeque políticas públicas tanto aqui como lá fora. O fim da dependência desse insumo na matriz energética é um objetivo comum a todos. Os combustíveis fósseis são tidos como ultrapassados, mas o mundo ainda depende umbilicalmente deles. Não se pode deixar de assinalar que, em meio à crise, o Brasil será, por tabela, beneficiado em seu programa do pré-sal.

O aumento no número de interessados em participar dos leilões do setor parece inevitável. O pré-sal por aqui está longe das conhecidas áreas de conflito e há reservas significativas para conquistar gordos recursos estrangeiros. O governo Bolsonaro estuda ainda mudar o regime de exploração, feito até aqui em caráter de partilha, para um modelo de concessão direta dos campos de produção. Será uma iniciativa louvável, que trará vantagens competitivas enquanto os demais países seguem amargando as consequências do problema recém-criado.

(Nota publicada na Edição 1139 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

A pendenga do combustível

Passam do limite do razoável as novas injunções do presidente Bolsonaro para ter alguma ingerência sobre os preços dos combustíveis. [...]

Economia comemora Lira

Especialmente no Ministério da Economia foi festejada com grande euforia a vitória de Arthur Lira para a presidência da Câmara dos [...]

Outra cabeça técnica fora

A saída do presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, consolidou no mercado uma impressão que já crescia dia a dia: no governo, [...]

O grande teste do BB

Do ponto de vista da garantia de uma estrutura técnica mínima no governo, a permanência do recém-empossado André Brandão na presidência [...]

As contas do Brasil em 2021

É preciso anotar na ponta do lápis a quantidade de compromissos – e dos valores – agendados para os gastos do ano que se inicia. E eles [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.