Dinheiro em Ação

Petrobras: lucro histórico e gás na Colômbia

Crédito: Divulgação

A sexta-feira (29) foi um dia de muitas notícias para a Petrobras. A estatal anunciou um resultado inesperado. Seu lucro no segundo trimestre cresceu 26,8% ante o mesmo período de 2021 para R$ 54,3 bilhões. A cifra ficou muito acima das expectativas do mercado, que eram de R$ 35,2 bilhões. O Ebitda ajustado, que mede o resultado operacional, ficou em R$ 98,2 bilhões, alta de 58,6%. A receita com vendas avançou 54,4% para R$ 170,9 bilhões. A estatal também informou que descobriu uma acumulação de gás natural no poço exploratório Uchuva-1, na Colômbia. A Petrobras tem participação de 44,4% no poço, enquanto a estatal colombiana Ecopetrol tem participação de 55,6%. “A empresa teve um trimestre para ficar na memória. Além disso, os dividendos têm proporcionado um bom retorno sobre as ações”, disse o analista da XP Investimentos, André Vidal. Após a divulgação do resultado, a corretora manteve a recomendação de compra para com preço-alvo de R$ 47,3, alta de 40,4% na comparação com o fechamento de segunda (1).

SIDERURGIA
Resultado da Usiminas perde a têmpera

A siderúrgica Usiminas informou, na sexta-feira (29), que lucrou R$ 1,06 bilhão no segundo trimestre, queda de 77% na comparação com o mesmo período do ano passado. O número ficou um pouco abaixo da expectativa do mercado, que esperava um resultado por volta de  R$ 1,13 bilhão. A geração de caixa, medida pelo Ebitda ajustado, ficou em R$ 1,9 bilhão, 62% menor que o apresentado no ano anterior. A receita líquida somou R$ 8,5 bilhões, queda de 11%. Para analistas do Itaú BBA, o resultado foi negativo, com um Ebitda 6% abaixo das expectativas. No entanto, os analistas mantiveram a ação como outperform (desempenho esperado acima da média) com preço-alvo de R$ 17, avanço de 107,3% na comparação com o fechamento de segunda (1).

TELECOMUNICAÇÕES
Desempenho da Tim decepciona

A Tim informou na segunda-feira (1) que seu lucro líquido recuou 54,1% para R$ 313 milhões no segundo trimestre. O número ficou abaixo dos R$ 547 milhões esperados. A receita líquida somou R$ 5,3 bilhões, melhora de 21,8%. O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ficou em R$ 2,4 bilhões, crescimento de 18,3%. Para o analista da Levante, Flávio Conde, o resultado foi afetado pela compra dos ativos da Oi móvel. “Se a ação cair o investidor deve comprar, visto que esse lucro menor é temporário.”

LOCAÇÃO
Números da Movida podem acelerar

A Movida informou na segunda-feira (1) que teve lucro líquido de R$ 186,8 milhões no segundo trimestre, alta de 7,4% na comparação com o mesmo período de 2021. O resultado ficou abaixo dos R$ 271 milhões projetados pelo mercado. A receita cresceu 90% para R$ 2,3 bilhões. O Ebitda, que mede o resultado operacional, ficou em R$ 905,3 milhões, avanço de 133%. Para o analista da Genial Investimentos, Ygor Araújo, o resultado ficou no zero a zero, com o crescimento da receita ofuscado pelo lucro. “Consideramos que o papel está com desconto exagerado em relação a Localiza”, disse ele, que manteve a recomendação de compra com preço-alvo de R$ 21, alta de 61,4% ante a segunda-feira (1).

DESTAQUE DO PREGÃO
Demanda garante os ganhos da Irani

ESTUDIO HALUZ

A Irani Papel e Embalagem divulgou um lucro líquido de R$ 84,6 milhões no segundo trimestre, alta de 25% ante o segundo trimestre do ano passado. O faturamento também subiu, para R$ 428,9 milhões, avanço de 6,4% ante 2021. Segundo o presidente da empresa, Sérgio Ribas, o aquecimento da demanda por embalagens melhorou os resultados e permitiu uma ampliação importante das margens. “Isso deve continuar, pois o crescimento do e-commerce eleva estruturalmente a demanda por papelão”, disse ele. “A embalagem vai até o consumidor final, o que insere mais um elo na cadeia.”