Giro

Pesadelo da quarentena não acabou para tripulação do ‘Diamond Princess’


O pesadelo de uma longa quarentena termina para a maioria dos passageiros do cruzeiro “Diamond Princess”, afetado pelo coronavírus, mas o isolamento está longe de terminar para os mais de 1.000 tripulantes.

Enquanto os passageiros a bordo estavam confinados em suas cabines quase 24 horas por dia, a maioria dos funcionários a bordo não estava sujeita às mesmas restrições. Tinham de preparar e levar as refeições para as cabines, distribuir toalhas, entregar jornais.

O fato de essas tarefas terem sido realizadas pela tripulação de origem gerou fortes críticas, pois alguns consideram que podem ter-se tornado agentes de propagação do vírus.

Das 3.711 pessoas que estavam inicialmente a bordo do navio, mais de 630 contraíram o coronavírus que apareceu pela primeira vez em dezembro na China e depois se espalhou para vários países, especialmente na Ásia.

Depois que o último passageiro deixar o navio, o que deve acontecer neste fim de semana, a tripulação ficará em quarentena por mais 14 dias.

Em geral, os funcionários se abstiveram de conversar com a mídia por medo de perderem o emprego, mas alguns quebraram o silêncio para descrever condições difíceis e a angústia que os cerca.

Sonali Thakkar, um segurança de 24 anos, disse à AFP que as equipes dormem em uma cabine, compartilham banheiros e comem juntos. Nessas circunstâncias, “a doença se espalha muito facilmente”.

“Temos muito medo, eu e meus colegas. Trabalhamos desde o início da quarentena do navio. À medida que os dias passam, e o número de pessoas infectadas aumenta, o medo aumenta”, explica ele, embora os casos confirmados sejam levados para um hospital em terra.

“Temos medo de contágio, e tudo o que queremos é que os exames sejam feitos e que pessoas negativas sejam separadas das positivas. Não queremos estar a bordo”, acrescenta.

O presidente da Princess Cruises, Jan Swartz, escreveu uma carta à tripulação, na qual diz que a empresa está “profundamente agradecida e muito orgulhosa de todos”.

“Vocês merecem e precisam de descanso. Então, daremos a vocês dois meses de férias remuneradas. Isso incluirá salário e os bônus médios que normalmente receberiam”, prometeu.

Totalmente dependentes das entregas de comida da tripulação, os passageiros postaram notas de agradecimento nas redes sociais.

“Minha família e eu queremos expressar nossa profunda gratidão por seu trabalho, sacrifícios e cuidados durante as últimas semanas. Não podemos imaginar as dificuldades que eles enfrentam e continuarão a enfrentar”, diz uma dessas mensagens.

Alguns membros da tripulação tentaram manter o ânimo positivo. Dois cozinheiros publicaram, entre outras coisas, um vídeo em que dançam.

“Devemos tentar ser felizes nessas situações”, escreveu um funcionário, Binay Kumar Sarkar, que postou um vídeo em que ele canta.

burs-ric-kap/uh/cac/mab/eg/mr/tt