Ciência

Perseguir imunidade coletiva é uma miragem perigosa, dizem cientistas

A ideia de deixar o vírus da covid-19 circular livremente para alcançar a imunidade coletiva, em desequilíbrio no início da pandemia, emerge cada vez mais como uma miragem perigosa – alertam vários cientistas.

Trata-se de permitir que uma determinada proporção da população se infecte com o vírus, de modo que a pandemia cesse por conta própria, na ausência de novas pessoas para infectar.

+ Covid-19: EUA supera os oito milhões de casos confirmados
+ Cafés e restaurantes serão fechados na Bélgica por quatro semanas por covid-19

Mas, depois de meses de emergência na saúde, “estamos muito, muito longe” de atingir esse limite, afirma à AFP Frédéric Altare, especialista em imunidade do Instituto Nacional da Saúde e da Pesquisa Médica da França.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou claro esta semana: “Nunca, na história da saúde pública, a imunidade coletiva foi utilizada como estratégia para responder a uma epidemia, muito menos a uma pandemia. É problemático do ponto de vista científico e ético”, disse seu diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Deixar um vírus perigoso livre, do qual muitas coisas nos escapam, é simplesmente contrário à ética. Não é uma opção”, insistiu.

A OMS calcula que, na maioria dos países, 10% da população pode ter-se contagiado com o SARS-CoV-2.

– Declarações de Trump a favor –

Portanto, bilhões de pessoas ainda podem se infectar com esse vírus, mais letal e contagioso que a gripe e para o qual ainda não existe nenhuma vacina.

Em maio, a OMS alertou que os países favoráveis a perseguir a imunidade coletiva se envolveriam em “um cálculo muito perigoso”.

O presidente Donald Trump defendeu essa ideia com frequência.

Neste mês, um grupo de cientistas lançou o apelo “The Great Barrington Declaration”, a favor de deixar que o vírus circule entre os jovens com boa saúde – e, portanto, suscetíveis a não ficarem gravemente doentes -, para proteger os mais vulneráveis.

Um pedido apoiado pela Casa Branca, segundo a imprensa americana.

O principal benefício dessa estratégia seria evitar os danos econômicos, sociais e sanitários provocados pela pandemia, por não precisar decretar, por exemplo, novos confinamentos generalizados.

É “um erro”, responderam 80 cientistas na quinta-feira em uma carta aberta publicada na revista médica The Lancet.

“Uma transmissão incontrolável entre os mais jovens seria muito arriscado em termos de saúde e mortalidade para o conjunto da população”, afirmam, exemplificando com o risco de saturação dos sistemas de saúde.

– Limite mínimo –

A Suécia, que optou por não confinar sua população, nem fechar escolas, bares e restaurantes durante a primeira onda, registra uma mortalidade que a coloca entre os primeiros 15 países do mundo, em relação ao tamanho de sua população, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

Além disso, não se sabe quanto tempo dura a imunidade e há casos, embora raros, de reinfecção.

“É possível que os anticorpos se reduzam com o tempo”, lembrou na semana passada uma responsável da OMS, Maria Van Kerkhove.

“As reinfecções mostram que não podemos nos basear na imunidade adquirida pela infecção natural para alcançar a imunidade de rebanho”, escreveu a doutora Akiko Iwasaki, especialista em imunidade da Universidade de Yale.

Alguns defensores da imunidade coletiva natural também argumentam que seu limite, estimado geralmente para um vírus entre 60% e 70% da população, seria na verdade menor, porque nem todo mundo contrai a covid-19.

Recentemente, foi descoberto que algumas pessoas já estão protegidas contra o SARS-CoV-2 quando se infectam, apesar de não terem estado em contato com ele anteriormente, segundo Frédéric Altare.

Em vez de anticorpos, essas pessoas desenvolvem uma imunidade celular, graças a um determinado tipo de glóbulos brancos. Ao “conhecer” outros agentes infecciosos semelhantes ao SARS-CoV-2, esses glóbulos identificam este último como um perigo e o atacam.

“Isso significa que os dados que afirmam que entre 5% e 10% da população já poderia estar imunizada estão certamente subestimados, mas não sabemos até que ponto”, continua Altare.

No entanto, mesmo levando-se em consideração todos os fatores relevantes, a porcentagem mínima necessária para alcançar a imunidade coletiva “seria de 50%” e, portanto, produziria um número considerável de mortes no caminho, acrescenta.

Sendo assim, a imunidade coletiva deve passar por “vacinas seguras e eficazes”, segundo a doutora Iwasaki.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?