Economia

Permanência de Paulo Guedes acalma o mercado? Analistas respondem

Crédito: Wilson Dias / Agência Brasil

Bolsonaro e Guedes diminuíram os ruídos sobre a saída do ministro (Crédito: Wilson Dias / Agência Brasil)

Os rumores de um possível pedido de demissão do ministro da Economia Paulo Guedes abalaram o humor do mercado financeiro nos últimos dias com perdas na bolsa de valores e alta do dólar.



Nesta sexta-feira (22), o presidente Jair Bolsonaro e Paulo Guedes concederam uma coletiva de imprensa que diminuíram os ruídos sobre o assunto.

A manutenção do ministro, porém, será capaz de acalmar o mercado? O economista e professor de gestão pública do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), Diego Rodrigues, e o advogado especialista em direito internacional e consultor de negócios, Daniel Toledo, respondem essa e outras questões sobre a economia do Brasil diante do atual cenário político.

Juros sobem, mas terminam longe das máximas após Guedes confirmar permanência

A manutenção de Guedes ajuda a acalmar o mercado no curto prazo?



Diego Rodrigues: A permanência do ministro no cargo me parece que nunca esteve em risco. O que está em risco mesmo é a política fiscal, e é com isso que o mercado está preocupado. Sem entrar no mérito do Auxílio Brasil, o que a alteração do teto de gastos mostrou é que a política fiscal está à mercê do ano eleitoral, mesmo com o ministro Guedes no cargo. Isso significa que a presença do ministro à frente da pasta não é mais garantia para a condução da política fiscal. O ministro Guedes pode estar queimando a credibilidade e confiança que o mercado ainda tinha nele. Logo, sua manutenção no cargo não é mais garantia de que o mercado se “acalmará” no curto prazo.

Daniel Toledo: No atual cenário a manutenção de Guedes não vai acalmar nada, vai evitar uma piora na atual situação. Nós temos o dólar batendo na casa de R$ 5,70, o dólar turismo passando de R$ 5,80, a expectativa do mercado é de que passe de R$ 6 e o mercado internacional está vendo e apostando que o Brasil vai estourar o teto fiscal. Já temos um cenário caótico. A saída de Guedes assim como de outros integrantes da equipe econômica fariam com que o barco afundasse de vez. A manutenção de Guedes agora, neste momento, não melhora, mas evita uma piora no cenário político e econômico atual.

O dólar vai cair? A bolsa vai subir?

Diego Rodrigues: Há muitos fatores que influenciam no valor do dólar e no comportamento da bolsa. No curto prazo, a alteração do teto de gastos certamente é a causa dessa turbulência que estamos vendo. O mercado está percebendo que a política fiscal no Brasil está em risco, o que pode prejudicar a retomada do crescimento. Sobre a bolsa, particularmente, acredito que ela deva se estabilizar tão logo esse choque inicial passe; sobre o dólar, também diante do cenário internacional, acredito que a tendência é de mais alta, o que poderá influenciar a inflação e exigirá o aumento dos juros por parte do Banco Central, tanto para conter a subida da inflação quando a desvalorização do Real.

Daniel Toledo: O dólar cair é pouco provável ainda mais agora com a concessão de novos auxílios por parte dos caixas públicos. O auxílio não vem do governo porque quem paga o caixa são os contribuintes, as pessoas que pagam impostos e tem sido impossível suportar o caixa público com dinheiro de tributos. Hoje há uma disparidade grande nessa questão que fez com que a economia fosse para onde ela está caminhando, mas estamos num ano político e se não houver concessão de benefícios o governo não se reelege ou elege aquele que ele indicar. Teremos um ano em que benefícios serão concedidos e não sabemos a que custo. Muitas pessoas estão aflitas e receosas com a manutenção do patrimônio e muita gente está apostando em ações de empresas mais estáveis e conservadoras para evitar perdas de dinheiro ainda maior do que temos visto. O que preocupa realmente o cenário nacional é a inflação, que não é só a perda de valor do dinheiro, mas sim o quanto os rendimentos em que as pessoas estão investindo vão compensar a perda desses valores.

O que se espera no médio, longo prazo?

Diego Rodrigues: Acredito que o ajuste das contas públicas é o grande desafio do Brasil nos médio e longo prazos. As contas públicas já vêm deterioradas historicamente no nosso país e vêm sofrendo um estresse muito grande em virtude da pandemia. O que tínhamos era um compromisso, pelo menos aparente, da equipe econômica com o ajuste fiscal no longo prazo, o que agora está em xeque em virtude, principalmente, da alteração do teto de gastos. Tudo dependerá do compromisso do governo com o ajuste das contas públicas e com as reformas, mas o ano eleitoral parece estar pesando nesse compromisso, o que é péssimo para o país, ainda mais em um momento tão delicado como esse.

Daniel Toledo: Nós vamos entender o que esperar da economia do Brasil a partir de novembro ou dezembro, quando teremos uma definição melhor de como será 2022. Até agora só temos especulação. O fim da CPI da Covid teve muito fervor político. Muitas questões foram reais, outras apenas por interesse político. Tem de ter cuidados com as medidas a serem tomadas daqui para frente. Em 2022, virá a conta do que houve em 2020 e 2021 e o Brasil tem entrado num círculo em que tenta vender o almoço para pagar a janta.

O que esperar da economia do país a partir de agora?

Diego Rodrigues: A situação das contas públicas é muito delicada e o governo sinalizou que abandonou o compromisso fiscal pelo menos até as eleições. Também não vejo mais compromisso com a aprovação de reformas até lá. Acredito que a tendência é a de que o governo tente acelerar o crescimento no curto prazo e deixe para pagar o “preço” por isso depois. Esse “depois” que é preocupante: o país necessitará de um esforço ainda maior para colocar as contas públicas em ordem, provavelmente o dólar e os juros estarão em patamares maiores e o custo para o ajuste poderá ser um ritmo de crescimento menor. Para mim, mesmo com a manutenção do ministro Guedes no cargo, o governo sinalizou que 2022 será um ano de engrenagens funcionando a todo o vapor até as eleições; depois disso, colocar a casa em ordem poderá nos cobrar um preço maior que o que pagaríamos se estivéssemos fazendo os ajustes de forma mais gradual e mais consistente.

Daniel Toledo: Não temos mais de onde tirar dinheiro. A expectativa de estourar o teto da meta fiscal vai fazer com que os poucos investidores internacionais que ainda restam saiam do Brasil em razão da instabilidade. O Brasil perderá em investimentos, estabilidade e liquidez, que faz com que muitas empresas decidam fechar, e os empresários acabam investindo em outros países com maior segurança econômica e política.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?

Tópicos

Abras Arthur Lira Associação Brasileira de Supermercados auxilio brasil auxílio brasil 2022 Auxílio Brasil 30 bilhões Auxílio Brasil anúncio Auxílio Brasil baixas na equipe econômica Auxílio Brasil Bolsonaro anuncia nesta quarta auxílio Brasil extra-teto auxílio Brasil fonte Auxílio Brasil Funchal Auxílio Brasil guedes Auxílio Brasil João Roma Ministro da cidadania Auxílio Brasil manobra teto de gastos Auxílio Brasil novo Bolsa Família 2022 Auxílio Brasil o que muda Auxílio Brasil parte fora do teto Auxílio Brasil por que o governo recuou Auxílio Brasil quando será anunciado Auxílio Brasil quem não está de acordo Auxílio Brasil valor AUXÍLIO BRASIL/BOLSONARO/VALOR/CONFIRMAÇÃO/GUEDES AUXÍLIO BRASIL/TETO/MUDANÇA/SECRETÁRIOS/EXONERAÇÃO auxílio eleições 2022 auxílio prorrogação auxílio temporário 2022 Bolsa Família bolsa família auxílio 2022 Bolsonaro Guedes Bruno Funchal CBIC Ciro Nogueira debandada de secretários economia Encontro Nacional da Indústria da Construção Gildenora Dantas governo furou teto de gastos GUEDES guedes abras guedes demissão guedes pediu demissão? Hugo Motta inflação Jair Bolsonaro Jeferson Bittencourt João Roma Ministério da Economia Ministro da Cidadania novo bolsa família o que é teto de gastos? Palácio do Planalto Paulo Guedes PEC dos precatórios Popularidade Bolsonaro proposta de distribuição de renda 2022 quando começa Auxílio Brasil quem paga o Auxílio Brasil? Rafael Araujo renda brasil 2022 Rodrigo Pacheco secretário do Tesouro Nacional secretário especial do Tesouro e Orçamento Tesouro teto de gastos