Giro

Perda do olfato em pacientes com covid-19 é devido à inflamação

Crédito: Reprodução/Unsplash

Este estudo também descobriu "inesperadamente" que os testes clássicos de PCR nasofaríngeo entre pacientes sem cheiro podem falhar na detecção do vírus (Crédito: Reprodução/Unsplash)

A perda de odor em casos de pacientes infectados pelo coronavírus não se deve “a um edema ao nível da fenda olfatória”, como se acreditava anteriormente, mas a uma infecção dos neurônios sensoriais que “causam uma inflamação persistente” do olfato, segundo estudo divulgado pelo Instituto Pasteur.

Esta pesquisa, em que também colaboram outros centros franceses, refuta uma das hipóteses até agora aceitas sobre a perda do olfato, baseada em “um edema transitório ao nível do olfato na fenda que impede a passagem do ar que carrega as moléculas do odor para as células do nervo olfatório.”

+ Brasil tem 34,9 mi de vacinados contra covid em 1ª dose; 16,5% do total

No entanto, o estudo descobriu “uma infecção de neurônios sensoriais” entre os pacientes e aumento das células imunológicas no órgão sensorial. Tudo isso pode constituir “uma inflamação persistente do epitélio olfatório e do sistema nervoso olfatório” que leva à perda temporária do olfato.

Este estudo também descobriu “inesperadamente” que os testes clássicos de PCR nasofaríngeo entre pacientes sem cheiro podem falhar na detecção do vírus, porque o patógeno pode “persistir profundamente nas cavidades nasais”

Por isso, “a escovação nasal (outra técnica de coleta de amostras) pode ser considerada para completar a fricção nasofaríngea do teste de PCR em pacientes que apresentam perda de odor”.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Por fim, o estudo alerta que “a infecção dos neurônios olfativos pode constituir uma porta de entrada para o cérebro”. Assim, ele sugere a realização de novas pesquisas para descobrir “por que certos pacientes desenvolvem manifestações clínicas de natureza psicológica, como ansiedade ou depressão, ou neurológicas, como suscetibilidade a desenvolver uma doença neurodegenerativa”.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel