Ciência

Pequena empresa alemã duplica esforços para fabricar telas ‘antivírus’

Pequena empresa alemã duplica esforços para fabricar telas ‘antivírus’

Foto tirada em 27 de março de 2020 mostra um funcionário trabalhando em folhas de plexiglass na fabricante de Riesner em Wiesbaden, oeste da Alemanha


A epidemia de coronavírus está dando muito trabalho à fábrica da Claus Müller, chefe de uma empresa em Wiesbaden, no sudoeste da Alemanha, especializada em acrílico, um material que agora é usado para construir telas contra contágio.

“Nosso faturamento este mês dobrou e, se o motivo não fosse tão triste, poderíamos comemorar”, diz à AFP Müller, que dirige a Plexiglas Riesner, uma pequena empresa familiar estabelecida há 114 anos.

Coronavírus: britânicos deixam supermercados sem farinha

China confina os 600.000 habitantes de Jia após caso positivo de Covid-19

Na grande sala de fabricação, por onde dois grandes pastores alemães da família passeiam, os funcionários cortam com máquinas grandes placas de vidro acrílico para atender à enorme demanda.

No escritório, localizado ao lado, o telefone não para de tocar.

A pandemia de coronavírus fez disparar o uso de paredes protetoras transparentes elaboradas com esse material, uma maneira de se proteger do vírus que se espalha pelas gotículas de saliva.

“Nossos principais clientes são farmácias, hospitais, mas também administrações, ou a cidade de Wiesbaden, além de médicos e comércios que não podem fechar”, relata Müller.

Nas redes de supermercados da Alemanha, da França, ou dos Estados Unidos, os caixas foram, em muitos casos, protegidos por uma parede transparente. A rede de supermercados alemã Aldi acaba de fazer uma encomenda importante com a empresa.

Plexiglas é uma marca registrada pelo grupo alemão Röhm, mas a palavra é usada genericamente para falar de qualquer tipo de vidro acrílico.

“Os pedidos começaram a aumentar a partir do final de fevereiro”, afirma o empregador. “O problema é que todos precisam rapidamente, e temos capacidade de produção limitada”, completou.

A paralisia por parte da economia mundial e o fechamento de várias fábricas na Alemanha e no restante da Europa para combater a disseminação do coronavírus podem causar problemas para a empresa entregar os pedidos.

“Temos estoque suficiente para uma, ou duas semanas, e nossos fornecedores já nos avisaram que não haverá entregas em abril”, explica Müller.

“Parece que todo mercado na Alemanha está paralisado”, acrescenta o patrão de 60 anos.

A empresa espera, no entanto, poder entregar os pedidos de alguns de seus clientes mais antigos após o pico da atividade.

“Ao contrário de outras empresas, não vamos quebrar”, diz Müller, preocupado com um amigo que possui um bar e que tem sido afetado pelo confinamento e pelo fechamento de comércios não essenciais.

O mercado global de vidro acrílico representou cerca de US$ 5,3 bilhões em 2019 e pode chegar a US$ 7,1 bilhões em 2024, de acordo com a consultoria 360 Market Updates.

A empresa Plexiglas Riesner deve seu nome ao fundador de uma pequena companhia familiar de artigos de vidro, Karl Riesner. Em 1957, seu filho começou a fabricar acrílico, mais barato e mais simples de usar.

Em 2004, Müller assumiu a fábrica através de um site que registra as chamadas empresas “Mittelstand” – a rede de pequenas e médias empresas consideradas essenciais para o sucesso da economia alemã – em busca de sucessores.

“Eu verifiquei os números e sabia que poderia fazê-la funcionar”, lembrou Müller, que estudou arquitetura.

Após a crise do coronavírus, a demanda pelo produto nos supermercados diminuirá, e muitas “telas” de proteção serão removidas, afirma o empregador, acrescentando que poderão ser mantidas em farmácias, ou em consultórios médicos.

“Nós nos sentimos mais seguros (…) Eles também protegem nossos clientes se estivermos infectados sem sintomas”, diz a farmacêutica Iris Erdelmeier.

Tópicos

coronavírus